'Manaus Mais Humana' intensifica doações e entra na segunda fase da campanha

Com a meta de atender pessoas que perderam o emprego ou tiveram a renda de suas famílias reduzidas em decorrência do novo coronavírus, a campanha "Manaus Mais Humana" continua realizando entregas de cestas básicas e kits de limpeza. Neste sábado (27), a ação chegou às Zonas Norte, Sul e Centro-Oeste da capital amazonense, a qual contou com a presença do presidente do Codese Manaus, Euler Guimarães, presidente do Comitê Cidadão, Stanley Braga, e Johnny Azevedo, diretor do grupo TV Lar, uma das empresas apoiadoras da campanha.

A Área Missionária São Paulo Apóstolo, Zona Norte, recebeu as cestas básicas e materiais de higiene, os quais irão beneficiar mais de 200 pessoas, entre fiéis e comunidade adjacente. De acordo com o padre Severino Isaías, a área conta com mais de 140 famílias cadastradas pela Pastoral da Criança e desenvolve projetos sociais e de assistência a essa população.

"Essa é uma região onde as pessoas são muito carentes. Devido a pandemia, com o agravante do alto índice de desemprego, vamos fazer as doações das cestas para aqueles que estão passando bastante necessidade e também não receberam nenhum tipo de auxílio do governo. Os beneficiados são previamente cadastrados e ficam em nossos registros por seis meses para ser atendido com nossas campanhas. Nossa meta também é ajuda-los a traçar o próprio caminho e conquistar melhor qualidade de vida", destaca o padre.

Os bairros Cachoeirinha, Zona Sul, e Redenção, Zona Centro-Oeste, também foram contemplados com as cestas básicas e kits de higiene. Com mais de 35 anos atuando junto às famílias que estão em situação de vulnerabilidade social na Zona Sul da capital amazonense, o líder religioso Fernando Marinho, afirma que a pandemia afetou drasticamente a vida da população que será atendida pela ação.

"Nosso projeto social atende pessoas que moram nos Prosamim e elas foram muito afetadas, principalmente no setor econômico, haja vista que a maioria são trabalhadores informais. Então, essas cestas básicas irão garantir o sustento de centenas de crianças e adultos que estão passando necessidade nesse período", pontua Fernando.

Nessa região, a campanha 'Manaus Mais Humana' vai beneficiar mais de 150 famílias que residem nos Prosamim da região Central de Manaus, os quais estão situados na Major Gabriel, Mestre Chico, Educandos e Morro da Liberdade.

No bairro Redenção, um dos líderes da comunidade, Naldo dos Santos, foi o responsável por receber e distribuir as cestas e produtos de higiene. Ele afirma que a pandemia afetou a comunidade, principalmente em termos econômicos.

"Essa é uma comunidade muito carente e muitos perderam seus empregos ou suas fontes de renda, como a venda informal. Então, toda ajuda que chega, como essas cestas básicas, é muito gratificante e valoroso", destaca Naldo.

Apoio aos empreendedores

A campanha 'Manaus Mais Humana', desenvolvida pelo Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (CODESE Manaus) e Comitê Cidadão entra na segunda fase de auxílio às pessoas que perderam o emprego ou tiveram seus rendimentos reduzidos por causa do isolamento social. Por meio do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a organização da campanha fará um raio-X das dificuldades para gerar emprego e renda no pós-pandemia.

A partir desta semana, o Sebrae enviará por meio eletrônico um questionário para entender os motivos que levaram as pessoas a perder renda, assim como suas dificuldades para voltar a ter rendimentos com regularidade.

Desde o início da pandemia, o Sebrae/AM disponibilizou sem custo para os interessados 135 cursos básicos, intermediários e avançados sobre empreendedorismo. Além disso, tem realizado atendimentos, palestras, missões, workshops e rodadas de negócios gratuitos para manter em atividade a cadeia produtiva.

"O Amazonas apresenta uma das piores taxas de mortalidade de empresas do País nos primeiros dois anos de atividade. Enquanto no Brasil a média é de 23% de fechamento, no Amazonas corresponde a 33%. Diante disso, o momento econômico pós-pandemia nos preocupa ainda mais. A tabulação dos dados da pesquisa permitirá a análise dos motivos que estão impedindo essas pessoas de retornarem ao mercado. Essas informações balizarão nossas recomendações sobre iniciativas que podem envolver outros atores públicos como a prefeitura e o governo, ou serem executadas pelas instituições que compõem o Codese Manaus. As empresas que nascem e seguem o protocolo do empreendedorismo produtivo têm maior chance de rentabilidade e de se perenizar", explicou Vicente Schettini, analista do Sebrae/AM.

Campanha

A campanha Manaus Mais Humana entregou, até o momento, 5,2 mil cestas para instituições localizadas em todas as zonas da capital. Estas organizações sociais: igrejas, sindicatos, associações foram orientados a cadastrar as pessoas que receberam os donativos para o segundo momento.

"Demos o peixe (cestas de alimentos e de higiene) para socorrer os vulneráveis economicamente, mas tínhamos também como meta dar a vara para que cada um pudesse continuar pegando seu próprio peixe com o retorno às atividades econômicas. No primeiro momento, cerca de 2 mil pessoas receberão os questionários e, posteriormente, o convite para participar de capacitações gratuitas que estejam sendo oferecidas pelos parceiros do CODESE Manaus , instituição que planeja o futuro de Manaus até 2038 e que tem atuado para fazer dessa uma das melhores cidades para se viver e fazer negócios", enfatizou Euler Guimarães, presidente do CODESE Manaus.

O Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (CODESE Manaus) e o Comitê Cidadão têm atuado intensamente para auxiliar pessoas que perderam o emprego ou tiveram a renda de suas famílias reduzidas em decorrência do novo coronavírus (Covid-19). 

As entregas de alimentos e produtos de limpeza, obtidos por meio da campanha 'Manaus Mais Humana' já chegaram a mais de 15 bairros da capital.

A campanha tem como empresas apoiadoras a TV Lar, RD Engenharia, Big Amigão, supermercado Rodrigues e Mercantil Nova Era.

Doações

A campanha já atingiu a metade da meta de aquisição e distribuição de dez mil cestas. Mas os organizadores continuam empenhados em colocar alimento na mesa de quem está sem recursos.