Header Ads

Em depoimento, Michel Temer comemora a aprovação da reforma trabalhista

O presidente Michel Temer comemorou a aprovação da reforma trabalhista pelo Senado Federal

Em meio denúncias, o presidente Michel Temer teve o que comemorar nesta terça-feira: a aprovação da reforma trabalhista pelo Senado Federal. Uma das maiores bandeiras de Temer desde que assumiu a presidência, a reforma foi aprovada pelos senadores com 50 votos favoráveis e 26 contrários. Agora, o texto será sancionado pelo presidente, que fez um pronunciamento para comemorar a aprovação. 

"Nenhum direito a menos, muitos empregos a mais".  Segundo o presidente, essa frase resume a reforma trabalhista, que ele também classificou como uma "modernização necessária" e "medida ousada". "Tive a coragem de propor essa mudança fundamental o País", afirmou o presidente, que tinha nas reformas trabalhista e da Previdência suas maiores plataformas de governo.

Temer usou exemplos como a extensão dos direitos trabalhistas para as pessoas que trabalham em meio período ou as que trabalham em casa. Temer comemorou também o fato dos acordos entre empregadores e trabalhadores poderem se sobrepor às leis e elogiou o que chamou de "retomada de economia". "Os tempos mudaram e temos que nos adaptar. Nosso governo está conectado com o século XXI", explicouTemer .

O presidente também fez questão de agradecer aos congressistas. "Muito obrigado ao Congresso Nacional, que teve uma presença excepcional. A matéria foi ampla e largamente debatida", disse. Temer terminou o discurso dizendo que o Brasil caminha para a modernidade. Confira na íntegra o pronunciamento do presidente.

Texto da reforma

A proposta da reforma prevê, além da supremacia do negociado sobre o legislado, o fim da assistência obrigatória do sindicato na extinção e na homologação do contrato de trabalho. O texto também determina o fim da contribuição sindical obrigatória que hoje é referente a um dia de salário dos trabalhadores.

A regra das férias também foi alterada. Será possível parcela-las em até três vezes no ano. O trabalho remoto, também conhecido como home office, também sofre alterações. Para o patrão que não registrar o empregado, a multa ficou mais cara e pode chegar a R$ 3 mil, diferente da penalidade atual, de um salário-mínimo regional.

Confusão antes da votação

Desde o fim da manhã, o presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE) foi impedido de se sentar em sua cadeira por parlamentares oposicionistas , que ocuparam a mesa do plenário, para reivindicar a votação à parte de um dispositivo do projeto que trata do trabalho de mulheres grávidas em locais insalubres.

Com a resistência das senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR), Fátima Bezerra (PT-RN), Ângela Portela (PT-ES), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), Lídice de Mata (PSB-BA), Regina Sousa (PT-PI) e Kátia Abreu (PMDB-TO), o presidente do Senado precisou suspender a sessão por tempo indeterminado e ordenou o desligamento das luzes da Casa.

A ocupação resultou em um pedido de denúncia contra as parlamentares ao Conselh de Ética no Senado, elaborado pelo senador José Medeiros (PSD-MT) e outros integrantes da Casa, alegando "prática de ato incompatível com a ética e o decoro parlamentar".

Antes da última tentativa de retomar a presidência da sessão, Eunício criticou o ato das senadoras, afirmando que "nem a Ditadura Militar ousou ocupar a Mesa do Congresso". Após sete horas, a votação foi retomada.

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.