15 de junho de 2017

UOL Notícias A campanha que faz mulheres iranianas desafiarem a lei e tirarem seus véus

14/06/2017 - 18h29

Uma campanha recente contra a lei que força mulheres a usarem véus está ganhando enorme repercussão no Irã.

Com a hashtag #whitewednesdays (#quartas-

feirasbrancas, na tradução livre), mulheres do país estão postando fotos e vídeos usando véus brancos ou roupas dessa cor como um símbolo de protesto.

A ideia veio de Masih Alinejad, fundadora do "Minha Liberdade Furtiva", um movimento online que se opõe às regras de vestimenta impostas às mulheres do país.

Maior participação feminina traria R$ 382 bilhões à economia brasileira até 2025, diz OITDoenças relacionadas ao excesso de peso não ameaçam apenas obesos, diz estudo

Antes da Revolução de 1979, que levou ao poder o regime islâmico do aiatolá Khomeini, parte das iranianas usavam roupas ao estilo das ocidentais, incluindo minissaias, tops e blusas de manga curta.

Atualmente, as leis islâmicas em vigor determinam que elas cubram seus cabelos, restringem o uso de maquiagem e obrigam o uso de vestimentas até o joelho, sob o risco de serem multadas ou presas.

Mais de 100 mil mulheres e homens foram às ruas protestar contra essa legislação em 1979, e a oposição às restrições de vestimenta perdura até hoje.

Nos três anos desde que foi fundado o movimento, o "Minha Liberdade Furtiva" recebeu mais de 3 mil fotos e vídeos mostrando mulheres sem véus, com o cabelo à mostra.

Em geral, as fotos postadas nos sites do movimento geralmente são anônimas, para evitar a perseguição das autoridades. Agora, porém, com a hashtag #whitewednesdays, as mulheres têm demonstrado insatisfação em público.

Desafiando a lei

Em cinco semanas de campanha, Alinejad conta ter recebido mais de 200 vídeos, alguns deles com mais de 500 mil visualizações.

"Eu me sinto muito motivada a estar nessa campanha", disse uma das participantes em um vídeo que compartilhou enquanto caminhava pela rua. "Eu quero falar com vocês sobre meu aprisionamento (...). Eles me impõem o hijab (véu islâmico) desde quando tinha 7 anos", diz ela, enquanto vai afrouxando o véu em sua cabeça. "Eu nunca me senti comprometida com isso, nem serei."

Alinejad conta que ficou surpresa com a quantidade de manifestações corajosas das mulheres - algumas enviaram vídeos feitos em lugares públicos, sem o véu cobrindo suas cabeças.

"Quando mencionei (a uma participante) minha preocupação quanto a sua segurança, ela respondeu que preferiria colocar seu emprego em risco do que seguir vivendo nessa opressão que mulheres iranianas vivem há 38 anos."

Alinejad encara o projeto como um "trabalho por amor", que realiza com a ajuda eventual de alguns voluntários.

A maioria das imagens e dos vídeos vêm de dentro do Irã, mas Alinejad conta que já recebeu contribuições da Arábia Saudita (onde os véus também são compulsórios) e até mesmo de lugares mais distantes, como Europa e Estados Unidos.

Uma mulher no Afeganistão escreveu sobre sua admiração pela campanha e pelas mulheres que aderiram a ela, mas disse sentir muito medo de postar uma foto sem o hijab.

Lá, os véus não são obrigatórios por lei, mas muitas meninas e mulheres são forçadas a utilizá-los por suas famílias.

Repercussão

Com a campanha e as ações de seu movimento, Alinejad acredita estar "emancipando mulheres iranianas".

"Mulheres iranianas estão liderando elas próprias essa campanha. Elas não precisam de mim. Precisam só da plataforma, e eu ofereço isso a elas", diz.

Uma participante disse que decidiu correr o risco de ser detida pelas autoridades por acreditar que a campanha possa ter um impacto futuro. "Mesmo que isso me leve à cadeia para dormir com baratas, vale a pena tentar ajudar as próximas gerações",

Alinejad, que vive em exílio nos Estados Unidos, não pisa no Irã desde 2009 e teme ser presa se regressar a seu país natal.

Campanhas anteriores lhe renderam ameaças de morte e críticas a ela e sua família, mas ela diz que manterá a luta pela liberdade de vestimenta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.