6 de julho de 2015

Temer nega crise: 'Impeachment é impensável no momento'

Por: 


Em entrevista coletiva, vice-presidente e articulador político diz que o governo está tranquilo e não crê que Cunha e Renan trabalhem pela queda de Dilma. 


O vice-presidente Michel Temer: 'Dilma está tranquila'(Ed Ferreira/Folhapress)





O vice-presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta segunda-feira que o governo está "tranquilo" e que não há crise política no país. Em meio a rumores de que deixará a articulação política, o peemedebista foi escalado para dar uma entrevista coletiva logo após a reunião semanal de coordenação do governo, no Palácio do Planalto.


"Nós não temos crise política porque crise política significaria não ter apoio no Congresso Nacional", disse, afirmando que a maior parte das propostas do Executivo foram aprovadas até agora. Temer tentou atuar como apaziguador e não reconheceu que o Planalto vive um período de instabilidade. Para ele, o impeachment é algo "impensável para o momento atual".
"O governo continua tranquilo em relação àquilo que vem fazendo e o muito que fará ainda pelo país", disse ele. O vice-presidente afirmou também que a ideia do impeachment é perigosa porque pode levar a "uma crise institucional que é indesejável para o país".
Temer negou ainda que haja conversas formais do PMDB com a oposição para tratar do impeachment de Dilma Rousseff. Ele confirmou que representantes dos dois partidos têm conversado, mas disse que isso é natural. "Dialogar com a oposição é uma obrigação para os partidos que têm assento na Casa", afirmou.
Por fim, Michel Temer disse não acreditar que os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), atuem para derrubar o governo como represália pela inclusão de seus nomes na lista de réus da operação Lava Jato. "Os presidentes da Câmara e do Senado têm uma história política muito adequada às instituições democráticas. Não levariam adiante essa hipótese", disse ele.
Na semana passada, Eduardo Cunha defendeu que Temer deixe a articulação política porque está sendo "sabotado" pelo PT. Nesta segunda, Temer não comentou diretamente a possibilidade de saída. Lembrou que, por causa do seu cargo, sempre fará parte das negociações com o Congresso: "Esteja eu designado pela presidente ou não, continuarei na articulação política do país", assegurou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.