MUNICÍPIO DE COARI: EDUCAÇÃO É PRIORIDADE EM MEIO À SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA

Prefeito de Coari, Raimundo Magalhães em reunião
com o Procurador Geral de Justiça do
Estado do Amazonas Dr. Fabio Monteiro.
O prefeito de Coari Raimundo Magalhães (PRP) decretou estado de emergência financeira e administrativa no município. Para tal ele considerou alguns fatores que levaram à tomar a decisão de publicar o decreto, dentre os quais: o encerramento do mandato do ex-prefeito, por conseguinte, o encerramento de suas funções administrativas, assim como a situação de instabilidade administrativa e financeira  da prefeitura.

Outro aspecto levando em consideração foi a situação caótica, precária e sem estrutura encontrada na administração municipal, decorrente dos sucessivos atos de desmandos do ex-gestor, que segundo o decreto publicado se omitiu a fazer a transição de governo, em franca violação ao estado democrático, deixando a administração municipal, desprovida de informações.

Para que fosse confirmado a necessidade da decretação do estado de emergência financeira e administrativa, as secretarias municipais emitiram relatórios que comprovam a atual realidade precária das condições da Prefeitura de Coari. Também foi emitido um parecer jurídico pela Procuradoria Geral do Município, que comprova a respectiva realidade. Outro fator sério levado em consideração foi a inexistência, de todos os processos licitatórios do período de 2014 e 2015, inclusive os fundamentais para o funcionamento da maquina pública como, por exemplo: merenda escolar, limpeza urbana, transporte escolar, serviços de saúde, e atividades indispensáveis para o funcionamento básico da administração pública no município.

Outros problemas encontrados foram a falta de medicamentos na rede publica de saúde, o acumulo de lixo nas vias urbanas, o que põe em sério risco a saúde da população, o meio ambiente e a incolumidade publica a proliferação de doenças endêmicas, e o gerenciamento de situações de grave risco a coletividade. Ainda foi levado em consideração para o decreto de emergência administrativa e financeira o sucateamento dos setores emergenciais e estruturais da administração publica o que compromete os serviços essenciais a serem prestados pela municipalidade. Além disso a prefeitura de Coari já havia decretado também estado de emergência nas áreas do município afetadas pela cheia, o que também complica em muito a vida dos cidadãos, em decorrência do fenômeno natural que atinge milhares de pessoas todos os anos.

Educação 

Tendo em vista a situação de emergência que Coari atravessa, em reunião nesta terça-feira dia 28 de Abril, com o Dr. Fábio Monteiro: Procurador Geral de Justiça do Estado do Amazonas, o prefeito de Coari Raimundo Magalhães comunicou ao procurador geral que vai várias ações com o objetivo de priorizar a educação, que está enfrentando uma série de precariedades. Ele informou que serão tomadas providências imediatas para a aquisição de novos aparelhos condicionadores de ar para as escolas do município. Com a medida, os horários das aulas na zona urbana do município serão regularizados, situação que não vem acontecendo em virtude das altas temperaturas em muitas salas de aula.

Além da climatização serão realizados reparos imediatos em todos os ônibus escolares, e será normalizado o abastecimento da merenda escolar, assim como, o início do ano letivo na Zona Rural que está marcado para o dia 04 de Maio pela SEMED - Secretaria de Educação do Município de Coari, segundo também confirmou o Secretário de Educação, professor Alzaias Alves.

Na reunião foi lembrado o fato de que, quando esteve no município de Coari, o Procurador Geral visitou pessoalmente as escolas e percebeu a deficiência tanto na climatização quanto no transporte escolar, além da deficiência no fornecimento da merenda escolar. Após a declaração do prefeito à respeito das medidas que já estão sendo adotadas para mudar o quadro, o Dr. Fábio Monteiro reafirmou que estes investimentos na área da educação são o melhor caminho para melhorar a situação educacional das crianças neste momento de crise que o município atravessa, e lamentou o descaso que viu anteriormente: "Como pode mais de 6 mil crianças fora da sala de aula, ar condicionados sucateados...Elas não merecem" - lamentou.

Diante do quadro caótico em que encontrou a situação no município de Coari, o prefeito Raimundo Magalhães, reafirmou junto ao procurador o seu compromisso em mudar o quadro para que as crianças tenham uma educação de qualidade, como realmente merecem: "Educação é prioridade em minha gestão e já tomei as providências para mudar esse quadro triste que encontrei na educação do município" - informou o prefeito de Coari.

Comentários