Header Ads

Datafolha aponta que 63% dos brasileiros aprovam impeachment de Dilma

Sessenta e três por cento dos brasileiros apoiam que o Congresso abra um julgamento político visando o impeachment da presidente Dilma Rousseff, segundo uma pesquisa divulgada neste sábado pelo Datafolha e que também mostrou que o índice de popularidade da governante parou de cair, mas continua em mínimos históricos.
De acordo com a pesquisa, enquanto 63% aprovam a possibilidade de que a presidente seja submetida ao julgamento político, 33% se opõe a essa possibilidade e 4% se absteve de responder ou não soube fazê-lo.
Os 2.834 eleitores de 171 municípios entrevistados pelo Datafolha entre quinta-feira e sexta-feira desta semana se pronunciaram contra a governante ao serem questionados sobre se consideram que "o Congresso deve abrir um processo político para destituir a presidente considerando tudo o que se conhece até agora do escândalo em Petrobras?".
Segundo o Datafolha, 57% dos interrogados considera que Dilma sabia dos desvios e não fez nada para evitá-los, 26% acreditam que a governante conhecia o problema, mas não podia fazer nada para evitá-lo e apenas 12% consideram que a chefe de Estado desconhecia o ocorrido na Petrobras.
Apesar do desejo de que o Congresso abra um processo de impeachment, 64% dos indagados acredita que Dilma não será destituída contra 29% que acredita nessa possibilidade.
O Datafolha divulgou sua nova pesquisa às vésperas dos protestos contra o governo e a corrupção convocados pelas redes sociais em dezenas de cidades brasileiras pelos mesmos grupos que se dizem independentes dos partidos e que mobilizaram cerca de dois milhões de manifestantes no dia 15 de março passado.
De acordo com a pesquisa, 75% dos brasileiros apoiam esses protestos contra o governo contra 19% que os desaprovam e 5% que se dizem indiferentes.
O descontentamento com a situação fez com que pela primeira vez os brasileiros qualificassem a corrupção como um dos problemas mais graves do país.
Enquanto em janeiro passado, no começo do segundo mandato de quatro anos de Dilma, 31% consideravam a saúde como o principal problema do país, 16% a segurança e 12% a educação, esta semana os qualificados como maiores problemas foram saúde (23%), corrupção (22%) e educação (10%).
Por outro lado, a pesquisa mostrou que o índice de aprovação de Dilma estacionou em 13%, seu pior nível desde que assumiu a presidência pela primeira vez, em janeiro de 2011.
Enquanto 13% dos indagados classificaram positivamente seu governo, a mesma porcentagem que há mês, 60% o desaprovam, abaixo de 62% de rejeição medido em março.
O índice de aprovação de Dilma é o menor para um presidente brasileiro desde o fim da ditadura (1985) com exceção dos 9% que tinha Fernando Collor em 1992, quando o Congresso abriu um processo de impeachment contra ele, que terminou com sua renúncia ao mandato.
Dilma completou na sexta-feira os primeiros cem dias de seu segundo mandato não só com sua popularidade em mínimos históricos mas também acossada pelos escândalos de corrupção, pressionada por suas disputas com o Congresso e contra a parede por causa da situação econômica do país.
O descontentamento com o Governo, segundo analistas, também foi gerado pela deterioração da economia, que só cresceu 0,1% no ano passado e pode sofrer uma contração de 1% este ano, segundo as últimas previsões dos economistas.
O governo anunciou um profundo ajuste fiscal, com a redução de incentivos fiscais e o corte de gastos, para enfrentar essa conjuntura negativa, agravada por alta da inflação anualizada a seu maior nível em dez anos, escalada do dólar a seu maior valor em uma década, aumento do desemprego e déficit recorde nas contas públicas no ano passado.

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.