Header Ads

Operação “Tribunal de Rua”, da SSP-AM, prende policiais militares e um delegado da Polícia Civil


Seis policiais militares, um ex-policial militar e um delegado da Polícia Civil foram presos na manhã desta quarta-feira, dia 9 de outubro, suspeitos de extorsão, corrupção ativa, tráfico e associação para o tráfico de drogas. O trabalho é resultado da operação "Tribunal de Rua", que cumpriu os mandados judiciais de prisão e foi realizada pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), através da Secretaria-Adjunta de Inteligência (Seai), em conjunto com as Polícias Militar e Civil.


As prisões foram embasadas em uma investigação que durou cinco meses, após denúncias feitas à Seai por pessoas que teriam sido vítimas do grupo. De acordo com o titular da SSP-AM, coronel Paulo Roberto Vital, a partir da investigação, a operação chegou a provas contundentes que passaram pelo Ministério Público e resultaram na expedição dos mandados de prisão.

"Quero ressaltar que mais uma vez a Secretaria de Segurança Pública está mostrando que a população pode acreditar no trabalho que está sendo desenvolvido. Estamos cortando na própria carne. Toda vez que se fizer necessário nós faremos esse trabalho sim, o que mostra nosso comprometimento com a sociedade e com os bons policiais, que são a maioria. Não corroboramos com nenhum desvio de conduta", afirmou o coronel Vital.

Foram presos o delegado da Polícia Civil, Oscar Cardoso, que comandava a Força-Tarefa da SSP-AM; os policiais militares Einar Magalhães Ribeiro (sargento); José Samuel Spener (cabo); Ronaldo Bacuri Machado, Nadison de Souza Miranda e Donato Paz da Silva (soldados); Wanderlan Fernandes de Oliveira (ex-policial militar) e Williame de Souza Castro (soldado). Os mandados de prisão preventiva foram expedidos pelo juiz Francisco Pessoa Almada, da 2ª Vara Especializada de Execuções em Crimes de Uso e Tráfico de Entorpecentes (Vecute).

O nome da operação é uma alusão ao título de música da banda O Rappa que fala da prática criminosa de extorsão que seria praticada por policiais no Rio de Janeiro. Segundo o secretário-adjunto de inteligência, Thomaz Vasconcelos, um dos crimes praticado pelo grupo aponta que os policiais extorquiram R$ 55 mil para manter um traficante em liberdade. "O comando do grupo estava a cargo de dois policiais militares. E o que nós levantamos é que o delegado daria o ar de legalidade ao tipo de abordagem que era praticada pelos policiais", explicou Thomaz.

Durante a manhã desta quarta-feira, os envolvidos foram ouvidos e serão encaminhados para o Batalhão de Guarda da PM, no caso dos policiais militares e do ex-PM. O delegado será recolhido para a carceragem da Delegacia Geral. O processo correrá em segredo de justiça. Os acusados devem ficar afastados de seus cargos durante o andamento do processo. Eles também devem responder a processo administrativo.

Apreensões – Na lista de materiais apreendidos durante a operação "Tribunal de Rua" estão armas, pistolas, munições, algemas, binóculo, coletes balísticos, capa de chuva, pen drives e chips de celular, modem, telefones celulares, máquinas fotográficas, veículos, carregadores, CPU, notebooks, cartões bancários, máquina de cartão de crédito e dinheiro, incluindo notas falsas.

Exemplo – Segundo o delegado-geral da Polícia Civil do Amazonas, Josué Rocha, a prisão de policiais militares e do delegado de polícia, através da operação "Tribunal de Rua", serve de exemplo aos policiais que se desviarem da conduta prezada pela instituição, De acordo com ele, a PC está atenta aos casos de irregularidades. "Foi surpreendente a prisão do delegado já que ele tinha uma ficha de bons trabalhos na Polícia Civil. A operação serve de exemplo. A Polícia Civil tendo um de seus membros em qualquer irregularidade, isso será apurado e penalizado. Nós estamos atentos a qualquer situação e vamos continuar trabalhando com seriedade", garantiu.

Para o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Almir David, o envolvimento dos policiais com a criminalidade não reflete os valores da instituição e dos bons PM's que trabalham comprometidos com a coletividade. O coronel disse que uma vez comprovado o desvio de conduta, os profissionais serão punidos. "A Polícia Militar emprega a transparência em todas as suas ações. Por isso expurgamos esse tipo de comportamento. Esses profissionais que trabalham para a criminalidade não refletem nossas ações, nossos valores e, principalmente, o investimento e valorização que o Governo tem feito na segurança pública", pontuou Almir David.

FOTOS: WREDMAN / AGECOM

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.