MANAUS ESTA EM ‘SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA’ COM 317 CASOS DE SARAMPO E ESPECIALISTA DO HAPVIDA ORIENTA QUAIS CUIDADOS E PROCEDIMENTOS QUE DEVEMOS TER CONTRA O SARAMPO


Com a confirmação de 317 casos de sarampo em Manaus, a Dra. Karina Catique, pediatra do Hapvida, orienta a população sobre dúvidas, cuidados e procedimentos com relação ao sarampo.

De acordo com os dados da Semsa, a Zona Norte da capital segue com a maior concentração de casos notificados. Foram 969, o que representa 36,4% do total de registros. A Zona Leste aparece em seguida, com 876 (32,9%). A Zona Sul tem 424 (15,9%); Oeste 370 (13,9%) e Rural 21 (0,8 %) concentram outros registros.

O 18º Informativo Epidemiológico aponta a tendência contínua de aumento de casos entre adultos jovens, na faixa etária de 20 a 29 anos, com o registro de 632 do total de notificações (23,8%). No 14º Informativo, divulgado no dia 12 de junho, essa mesma faixa etária registrava 188 casos notificados.

A vacina de rotina é aplicada normalmente em pessoas de 1 até 49 anos, mas como Manaus está em situação de emergência por causa do avanço da doença, a faixa etária foi alterada para crianças a partir de 6 meses.

O QUE É O SARAMPO
O sarampo é uma doença viral, infecciosa aguda, transmissível e extremamente contagiosa. Os sintomas são febre e manchas vermelhas acompanhadas de um ou mais dos seguintes sintomas: tosse, coriza, conjuntivite.

De acordo com a Dra. Catique, que atende no hospital São Lucas, assim que apresentar estes sintomas, o paciente deve procurar um PA – Pronto atendimento, para ser realizado o exame para o diagnóstico, afirma a pediatra.

A prevenção desta doença é feita através da vacina que é a forma mais eficaz de se prevenir contra o sarampo. Toda pessoa de 01 a 49 anos, inclusive quem já teve a doença deve se vacinar nas salas de vacinas disponíveis na rede pública de Manaus.

O sarampo é causado por um vírus altamente contagioso – 90% das pessoas sem imunidade que compartilham espaços com pessoas contaminadas contraem a doença e é transmitido através do contato com gotículas do nariz, da boca ou da garganta da pessoa infectada, quando ela tosse, espirra e respira.

Basicamente, o paciente poderá passar por 3 fases, são elas:

1.Fase Prodrômica ou Pródromo
Refere-se ao período de tempo entre os primeiros sintomas da doença e o início dos sinais ou sintomas com base no diagnóstico. Nela, o paciente terá os sintomas iniciais da doença, que dura cerca de 2 a 3 dias.

2.Fase Exantemática
Ocorre piora dos sintomas nesta fase, podendo ocorrer as seguintes complicações:
Erupções cutâneas que aparecem primeiro na cabeça e "descem" com o tempo para os pés; desaparecem em 7 a 10 dias.
Secreções aumentadas nas vias respiratórias superiores.
Elevada produção de muco nos pulmões.
Voz rouca.
Faringe e boca inflamadas.

3. Fase descamativa
Nesta fase as manchas escurecem, provocando uma descamação fina. Contudo, a febre e a tosse diminuem sensivelmente. Entre os principais sinais estão: Conjuntivite intensa, pneumonia, infecção no ouvido, diarreia, encefalite. "Não existe tratamento específico, o que há é o tratamento para diminuir sintomas como a febre e tosse. Quando o médico indica algum antibiótico, ele servirá para combater alguma possível complicação", nos relata a especialista.

A melhor e eficaz forma de prevenção é a vacina contra o sarampo, ela tem eficácia em 97% dos casos. Também há anticorpos contra a doença, só que temporários, eles são transmitidos pela placenta para os lactentes de mães que já tiveram sarampo, o que faz com que o bebê fique imune em seu primeiro ano de vida.






Comentários