POLICIAIS MILITARES DO 5° BPM/COARI EM APOIO AO MINISTÉRIO PÚBLICO E PODER JUDICIÁRIO REALIZAM NOVA REVISTA NA UNIDADE PRISIONAL DE COARI/AM. - UPC






*10 de Novembro de 2017*

Por volta das 08h00, policiais militares do 5° BPM/COARI realizaram uma nova revista, desta vez, minuciosamente, nas dependências das celas da Unidade Prisional de Coari/AM - UPC. A revista foi determinada pelo Juiz Titular da Comarca de Coari/AM , DR. FÁBIO ALFAIA que esteve pessoalmente na Unidade Prisional, juntamente com o Promotor de Justiça da Comarca de Coari/AM DR. WESLEI MACHADO.

A revista contou com apoio de colaboradores da prefeitura que efetuaram a quebra de partes do piso nas dependências das celas com objetivo de encontrar "fundos falsos" que segundo denúncias de outros presos seriam usados para esconderem armas e drogas.

Durante a revista foram encontrados "fundos falsos" no piso, entretanto, não foi encontrado nenhuma arma de fogo. Foram apreendidos materiais como linhas e outros, usadas para recolher objetos lançados por terceiros para dentro do presídio como celulares, drogas, etc.

Foi determinado ainda pelo Juiz Titular da Comarca de Coari/AM, DR. FÁBIO ALFAIA que fossem retirados todos os aparelhos eletro-eletrônico de dentro das celas como televisores e aparelhos de som.

Os materiais apreendidos foram apresentados na 10a Delegacia Regional de Polícia Civil em Coari/AM para os procedimentos legais.






As revistas na Unidade Prisional de Coari/AM tem sido periódicas e determinadas pelo Juiz da Comarca, requisitadas pelo Ministério Público que fiscaliza e acompanha todo o procedimento. Internos que cumprem pena na Unidade Prisional denunciam a entrada de objetos ilícitos, principalmente de arma de fogo, por temerem por suas vidas e vidas de outros internos.

Segundo o Comandante do 5° BPM/COARI, a busca pessoal é realizada durante os dias de visitas, tendo sido apreendidas armas de fogo, celulares, chips telefônicos e bebidas, porém, os muros da Unidade Prisional são baixo e as adjacências cercadas por residências e próximas a um ginásio poliesportivo, o que facilita ação de comparsas e familares de internos que arremessam objetos ilícitos para dentro do local. Rondas constantes são feitas pelas viaturas de serviço, e pessoas suspeitas detidas e conduzidas para averiguação na posse de bebidas ou celulares próximos ao muro, disse o Oficial.




Medidas de urgência como colocação de câmeras para monitorar as adjacências da Unidade, além da colocação de telas são necessárias para ajudar a conter a entrada desses objetos, complementou o Major Pedro Moreira.