Header Ads

O jornalismo brasileiro vive uma crise de credibilidade?

Divulgação/TV Globo

O "Jornal Nacional" ainda é referência no jornalismo brasileiro, segundo pesquisa do Kantar IBOPE Media

Um recente estudo da agência  Reuters mostrou um dado um tanto quanto surpreendente: o brasileiro é o segundo povo que mais confia na imprensa. Entretanto, essa estatística não muda o fato de que, em meio à crise política e a disseminação de notícias falsas nas redes sociais, o jornalismo vive uma crise de credibilidade no Brasil e no mundo. 


"O jornalismo vive uma crise sim, mas a gente tem que entender o que isso significa", disse ao iG o professorRafael Fonseca Santos , coordenador do curso de jornalismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo.

Para ele, as notícias falsas são o grande combustível da crise de credibilidade. "Existe uma profusão grande de notícias falsas circulando, coisas mentirosas que aparecem por aí", disse. "As pessoas acreditam em notícias que circulam no WhatsApp e isso talvez seja uma falha nossa. Como mostrar para eles que somos confiáveis?", questionou o professor.

Legitimando a notícia

Ferramentas que buscam legitimar as notícias de fontes confiáveis estão sendo desenvolvidas pelo projeto Credibilidade, realizado através de uma parceria entre o Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo (Projor) e o Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia (PPGMiT), da Universidade Estadual Paulista (Unesp). O Credibilidade ainda envolve a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e 13 veículos de comunicação. 

Um dos indicadores de credibilidade que o projeto está desenvolvendo é uma espécie de ficha de informações de cada reportagem. Essa lista terá dados como o número de fontes ouvidas pelo repórter, a linha editorial do veículo que a publicou e outras informações que atestam a veracidade daquele trabalho.

Angela Pimenta, coordenadora do projeto Credibilidade, compara a ficha a uma tabela nutricional de um alimento. "Do mesmo jeito que as pessoas querem saber os ingredientes da comida que elas compram, elas querem saber informações sobre a notícia que estão lendo", disse ao iG . "Uma democracia vive de fatos. As decisões públicas, leis, normas e eleições são produzidas por fatos", continuou. Para ela, essa responsabilidade é muito importante. "A importância é vital. A notícia não é só um produto, mas também é um produto", explicou.

Confiança

De acordo com uma pesquisa do Kantar IBOPE Media, os brasileiros ainda usam a imprensa e os veículos de comunicação como principal fonte de informação. O estudo apontou que 84% dos entrevistados consomem frequentemente notícias na TV, rádio, jornal, revista ou internet.

Entretanto, isso não impede a disseminação de notícias falsas. Para Rafael Fonseca Santos, as redes sociais são um terreno fértil para isso. "A rede social amplia o que a gente já tem no cotidiano. No WhatsApp, a informação ganha uma proporção maior do que no boca a boca e dá dimensões maiores, prejuízos maiores", explicou.

"Na web, você encontra de tudo, é o almoxarifado do mundo", definiu Angela Pimenta. "Quando você tem um conteúdo jornalístico espremido no meio de gifs de gatinhos e me dá informação, esse conteúdo se fragmenta, perde a capacidade de entendimento quase imediatamente", continuou.

Além disso, a jornalista vê outro fator associado a essa disseminação: a bolha. As pessoas que se cercam de gente que tem o pensamento igual ao delas são mais propensas a cair nesse tipo de armadilha. "Isso é o viés de confirmação, uma propensão que nós temos em acreditar naquilo que confirme o que a gente já acreditava antes", explicou a jornalista. "Numa sociedade tão fragmentada como a nossa, você tem uma descrença na notícia que vai contra o que você acredita e uma tendência a acreditar no que quer acreditar", disse.

Crise política e soluções

Na crise política, a crise jornalística se torna especialmente perigosa. "Essa polarização política afeta o jornalismo também. Agora, as pessoas enxergam essa coisa de jornal azul e jornal vermelho", disse Rafael.

Reprodução/Credibilidade.org

O Projeto Credibilidade, coordenado por Angela Pimenta, é o capítulo brasileiro do The Trust Project

Ele não defende que os veículos de comunicação têm que ser imparciais, mas defende a honestidade. "Todo jornalista tem seu posicionamento, mas tem que buscar informações. Imparcialidade não é não tomar posição, mas buscar o máximo de posições possíveis de todos os lados", afirmou o professor. A posição de Angela Pimenta é parecida. "Pra eu saber se quero 'fora Temer' ou 'dentro Temer', tenho que saber se aquilo que ele acusado é verdadeiro ou falso", explicou.

Independentemente das posições políticas ou da crise pela qual o País passa, a responsabilidade jornalística é algo essencial e uma das únicas alternativas para parar a disseminação de notícias falsas. "A partir do momento que o jornalismo se mostra sério, que oferece um material de qualidade, aquilo se destaca", disse Rafael. "Se a gente não fizer um trabalho de qualidade, a gente não vai se destacar daquilo que é ruim."

Para Angela Pimenta, o combate às "fake news" ainda será longo. "O problema da notícia falsa não nasceu ontem, ele é milenar", lembrou. "Não adianta censurar, a gente tem que apelar para a razão do leitor para mostrar que aquela notícia é falsa", disse a jornalista.

A crise no jornalismo é uma realidade no Brasil e no mundo, principalmente nos Estados Unidos, mas a profissão não está em um poço sem fundo. "O jornalismo tem que se posicionar cada vez mais como uma fonte de credibilidade, alguém que passa uma informação com crédito", explicou o professor do Mackenzie Rafael Fonseca Santos. "O esforço está só começando e a caminhada ainda é longa", concluiu Angela Pimenta.


Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.