Header Ads

Disfunção erétil, cansaço e falta de sono são sinais de Distúrbio do Envelhecimento Masculino

Caracterizado por sintomas como cansaço, alterações no humor, disfunção erétil e diminuição da vitalidade, aliados à baixa dos níveis de testosterona, o Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM) ainda desperta pouco interesse dos homens, de acordo com o urologista do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos, Sandro Nassar de Castro Cardoso.

Em 2015, a Sociedade Brasileira de Urologia realizou estudo apontando que 51% dos homens nunca tinham ido ao especialista. Além disso, 57% deles desconhecem o que é a queda de testosterona, que pode acontecer conforme a idade avança.

"A partir dos 40 anos, todos os homens apresentam uma baixa produção de testosterona, mas somente os sintomáticos são caracterizados com o distúrbio", esclarece o médico.


O urologista explica que o DAEM não pode ser comparado com a menopausa feminina, pois, diferente do que acontece com as mulheres, a testosterona diminui progressiva e lentamente. Para ser considerada fora dos padrões de normalidade, Nassar explica que a testosterona precisa estar abaixo de 230 a 300, variação que ocorre em função da forma de dosagem feita pelo laboratório.

Antes dos 40 anos, homens que apresentam estes sintomas são diagnosticados com hipogonadismo primário. É quando o paciente desenvolve testículos atróficos (ou atrofiados), sem qualquer relação com uma disfunção provocada pelo envelhecimento.

Para o tratamento do Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino, Sandro Nassar de Castro Cardoso recomenda a terapia de reposição hormonal, feita de duas formas – exógena ou endógena.


A primeira acontece quando o paciente recebe testosterona via oral (através de comprimidos), na pele com creme e gel, adesivos ou injetáveis. Na forma endógena, o objetivo é estimular o corpo a produzir testosterona. Neste caso, são utilizados remédios desenvolvidos a partir da necessidade de cada paciente.


O urologista lembra ainda que um grande medo dos homens para a terapia de reposição de testosterona é em relação ao possível aumento do risco de câncer de próstata. "A ideia da terapia não é ir além dos níveis de normalidade da testosterona. Por isso, não é preciso o receio."


Importante ressaltar que pacientes com câncer de próstata ativo ou câncer de mama não podem fazer essa terapia, até que a doença seja tratada e não esteja mais em atividade.


Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.