Header Ads

VEJA: ‘Meu silêncio nunca esteve à venda’, diz Cunha à PF

Cunha prestou depoimento no inquérito que investiga o presidente Michel Temer por corrupção passiva e obstrução da Justiça

ex-presidente da Câmara e ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou nesta quarta-feira, em depoimento à Polícia Federal, ter recebido dinheiro da JBS para se manter em silêncio sobre supostos casos de interesse da Operação Lava Jato. O peemedebista foi interrogado na Superintendência da PF, em Curitiba, no inquérito que investiga o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa com base em revelações da delação da JBS.
Segundo o advogado de Cunha, Rodrigo Sanchez Rios, o seu cliente disse de “forma firme” que “o silêncio dele nunca esteve à venda” e que nunca foi procurado por Temer ou por algum interlocutor do presidente como uma tentativa de evitar que ele colaborasse com a Lava Jato. “Ele refutou categoricamente”, reforçou o advogado. 
Cunha não é formalmente investigado no processo, mas foi citado na embaraçosa conversa travada entre o dono da JBS, Joesley Batista, e o presidente, na noite do dia 7 de março no Palácio do Jaburu — o empresário gravou secretamente o diálogo e depois o entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) como parte do acordo de delação premiada. Na ocasião, o executivo disse que havia “zerado as pendências” e que estava “de bem” com Cunha. Temer, então, responde: “É, tem que manter isso, viu?”.
O presidente nega que tenha dado aval a Joesley para manter os repasses ao seu ex-aliado, conforme interpretou os investigadores pela conversa acima. A sua defesa também contesta a integridade do áudio, que passa por uma perícia da PF que ainda não foi concluída.
O advogado de Cunha afirmou que os delegados da PF fizeram 47 perguntas ao deputado cassado — todas enviadas pela unidade de Brasília. Cerca de metade delas se referia aos pagamentos da JBS e a outra metade ao suposto esquema de desvios na Caixa Econômica Federal. Sobre este segundo caso, o deputado teria se recusado a responder às questões.
Preso desde outubro do ano passado, Cunha já foi condenado a 15 anos de prisão pelo juiz Sergio Moro pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas numa ação relacionada a pagamento de propina na compra de um campo petrolífero na África pela Petrobras. Ele estava preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Grande Curitiba, e foi deslocado até a sede da PF para prestar depoimento.

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.