Como os tentáculos do Facebook alcançam mais longe do que você imagina

Mapeamento inédito sugere que usuários "trabalham" para a rede social alimentando-a com informações e comportamentos - e, com isso, deixam a empresa de Mark Zuckerberg cada vez mais poderosa.

O centro de dados do Facebook na Suécia foi um dos primeiros
29 MAI2017
14h06
atualizado às 14h31
A gama de informações que armazena faz do Facebook umas das organizações mais influentes do mundo. Com base nisso, a Share Lab, empresa de pesquisa e mapeamento de dados, decidiu destrinchar os algoritmos e as conexões gigantes da rede social para entender melhor as relações de poder e a estrutura social dentro da companhia. 
Há cerca de dois anos, Vladan Joler e seus amigos nerds começaram a investigar de Belgrado, capital da Sérvia, o funcionamento interno de uma das corporações mais poderosas do globo.
O grupo, que inclui especialistas em análises forenses cibernéticas e visualização de dados, já havia feito pesquisas sobre o que chamam de "diferentes formas de estruturas invisíveis" por trás dos provedores de internet sérvios.
Mas Joler e seus colegas, agora trabalhando no projeto do Share Lab, já estavam de olho em um alvo maior.


O centro de dados do Facebook na Suécia foi um dos primeiros
O centro de dados do Facebook na Suécia foi um dos primeiros
Foto: BBCBrasil.com
"Se o Facebook fosse um país, seria maior do que a China", disse Joler, que também é professor na Universidade Novi Sad, na Sérvia.
Ele discorre sobre os números familiares, mas impressionantes: a empresa ainda adolescente no Vale do Silício armazena 300 petabytes de dados, possui quase dois bilhões de usuários e arrecadou quase US$ 28 bilhões (R$ 96 bilhões) somente em 2016.
Joler argumenta que, apesar disso, conhecemos muito pouco sobre o que acontece no interior da empresa - embora sejamos nós, como usuários, os responsáveis por fornecer, e de forma gratuita, a maior parte do combustível que a mantém funcionando.
"Todos nós, quando fazemos um upload de alguma coisa, quando marcamos as pessoas em nossas postagens, quando comentamos, estamos basicamente trabalhando para o Facebook", diz
As informações geradas a partir das nossas interações alimentam os complexos algoritmos que fazem a rede social funcionar. Logo, nosso comportamento é transformado em produto, afirma Joler.

Complexidade

Mas tentar desvendar esse processo, em grande parte oculto, provou ser uma tarefa gigantesca.
"Nós tentamos mapear todos os campos e ferramentas que nos fazem interagir e alimentar o Facebook, e o que resulta disso", diz o especialista.
"Mapeamos curtidas, compartilhamentos, atualizações de status, adição de fotos, amigos, nomes, tudo que nossas ferramentas dizem sobre nós, todas as permissões que estamos dando ao Facebook via aplicativos, como o status do telefone, a conexão Wi-Fi e a habilidade de gravar áudio."
Toda essa pesquisa forneceu apenas uma fração do todo. Por isso, o grupo também pesquisou as aquisições do Facebook e vasculhou a sua miríade de arquivamentos de patentes.
Os resultados são surpreendentes.
Gráficos de fluxo que levam horas para serem completados mostram como os dados que damos para o Facebook são usados para calcular a nossa afinidade étnica (termo usado pela empresa), orientação sexual, afiliação política, classe social, agendamento de viagens e muito mais.
Um dos mapas mostra como tudo - dos links que postamos às páginas que curtimos e o nosso comportamento online em muitos outros cantos do ciberespaço que são de propriedade ou interagem com a empresa, como Instagram, WhatsApp ou sites que usam o Facebook meramente para o login - poderia estar alimentando um processo algorítmico gigante.
E esse processo permite ao Facebook atingir os usuários com precisão impressionante pela habilidade de identificar seus gostos alimentares, quanto tempo levam no deslocamento para o trabalho e a idade de seus filhos, por exemplo.


Uma parte do mapeamento dos fluxos do Facebook
Uma parte do mapeamento dos fluxos do Facebook
Foto: Share Lab

Privacidade

Outro mapa detalha as permissões que muitos de nós estamos dispostos a dar ao Facebook por meio de seus muitos aplicativos para celular, inclusive a habilidade de ler mensagens de texto, baixar arquivos sem permissão ou identificar a nossa localização com precisão.
Se individualmente são ferramentas poderosas, combinadas formam um motor de coleta de dados que, segundo Joler, está pronto para ser explorado.
"Se você pensar somente nos cookies, somente nas permissões do celular, ou só na retenção de metadata - cada uma dessas coisas, da perspectiva da análise de dados, é muito intrusiva."
Há anos o Facebook afirma que a privacidade dos dados e a segurança de suas operações é um dos pilares da rede social.
As informações não podem, por exemplo, serem usadas por desenvolvedores para criar ferramentas, e a empresa afirma que obedece as leis de proteção de privacidade em todos os países. Milhares de novos funcionários foram contratados justamente com esse objetivo.
Mas Joler, apesar de admitir que sua pesquisa o tenha feito ficar paranoico sobre a informação que está sendo coletada, diz estar mais preocupado com isso no longo prazo.
Os dados vão permanecer nas mãos da empresa. Mesmo se seus atuais líderes sejam responsáveis e confiáveis, como podemos saber sobre quem estará no poder daqui a 20 anos?

Moeda de troca

Alguns analistas afirmam que o trabalho do Share Lab é valioso e impressionante.
"É provavelmente o mais completo mapeamento do Facebook que já vimos", diz a especialista em leis e políticas da tecnologia da Cornell Tech, Julia Powles.
"A pesquisa mostra em termos frios e calculistas o quanto estamos dando em troca de termos a possibilidade de nos comunicarmos com nossos amigos."
A escala do alcance do Facebook pode ser declarada em números brutos - mas os mapas do Share Lab o fazem de forma visceral, de um jeito que as comparações e paralelos não conseguem.


Para especialistas, poder de empresas como o Facebook não tem precedentes
Para especialistas, poder de empresas como o Facebook não tem precedentes
Foto: Getty Images
"Nós não temos analogias históricas apropriadas para as gigantes de tecnologia", explica Powles.
Os poderes dessas empresas, segundo a pesquisadora, vão "muito além" de empresas como a Est India ou monopólios antigos como a Standard Oil.
E enquanto muitos consideram que os objetivos do império de Mark Zuckerberg sejam benignos, os seus efeitos nem sempre o são.
Segundo Powles, o Facebook "brinca com nossos impulsos psicológicos básicos" ao valorizar a popularidade acima de qualquer coisa.
Apesar disso, ela não espera que a pesquisa do Share Lab leve a um êxodo massivo do Facebook, ou a um aumento dramático no escrutínio sobre as gigantes de tecnologia.
"O que é mais impressionante é o senso de resignação, a importância da regulação, a falta de opção, a apatia do público. Que situação extraordinária para uma entidade que tem o poder da informação - não há poder maior, na verdade."
O que o time do Share Lab quer deixar claro é a dominância extraordinária do Facebook. Mas Joler também destaca que mesmo os mapas e gráficos produzidos por eles não são capazes de fornecer um quadro preciso sobre as capacidades do gigante das redes sociais.
Não há garantias, por exemplo, de que não existam outros algoritmos em funcionamento e que são mantidos em segredo.
Joler argumenta, porém, que o trabalho de sua equipe "ainda é o único mapa que existe" de uma das grandes forças que moldam nosso mundo atualmente.
spacer

Julgamento que pode cassar Temer é marcado para 6 de junho


Presidente do TSE reservou quatro sessões para decidir se a chapa vencedora de 2014 cometeu abuso de poder político e econômico

presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, marcou para os dias 6, 7 e 8 de junho o julgamento da ação que pode levar à cassação da chapa Dilma-Temer, vencedora das eleições de 2014. Segundo informações do TSE, foram reservadas quatro sessões para deliberar sobre o processo movido pelo PSDB — duas ordinárias e duas extraordinárias.
O Tribunal vai decidir se existem indícios suficientes de abuso de poder político e econômico para cassar a chapa, o que, na prática, significa retirar do cargo o presidente Michel Temer, levando à convocação de eleições indiretas. Neste caso, ele ainda poderia concorrer à vaga que será votada pelos membros do Congresso Nacional.
As sessões foram agendadas para as 19 horas no dia 6 de junho (terça-feira); às 19h em 7 de junho (quarta-feira) e às 9h e às 19h em 8 de junho (quinta-feira).
O julgamento havia começado em 4 de abril, mas foi interrompido após os sete ministros da corte decidirem por unanimidade reabrir a etapa de coleta de provas, fixar um prazo de cinco dias para as alegações finais das partes e autorizar a realização de quatro novos depoimentos — do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, do marqueteiro João Santana, da empresária Mônica Moura e de André Santana, assistente do casal. 
O processo pode ser suspendido novamente se algum ministro fizer pedido de vista (mais tempo para avaliar o caso) ou se alguma questão de ordem for aceita pela corte.
Em depoimentos sigilosos ao ministro Herman Benjamin, relator do processo na corte, o casal de marqueteiros afirmou que a ex-presidente Dilma Rousseff sabia do uso do caixa dois na sua campanha à reeleição e que não tratou de assuntos financeiros com Temer. Com base nessas alegações, o vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino voltou a pedir que apenas Dilma se torne inelegível por oito anos. Ele, no entanto, recomendou que os dois sejam cassados por considerar inviável a divisão da chapa.
Além das razões apresentadas pelo Ministério Público Eleitoral, a argumentação das outras partes no processo já é conhecida.  Autor da ação, o PSDB pede que Temer seja isentado “de qualquer prática ilícita” e que Dilma seja considerada inelegível por haver “provas cabais” contra ela. Já os advogados do peemedebista defendem a tese de que as condutas sejam separadas, enquanto a defesa de Dilma é contra a cisão — os dois, no entanto, negam as acusações. 
Enquanto o caso estava paralisado, dois novos ministros foram nomeados por Temer para compor a corte e participarão do julgamento. Ministro substituto do TSE há quatro anos, Admar Gonzaga substituiu o advogado Henrique Neves, cujo mandato terminou em 16 de abril. Tarcísio Vieira, também ministro substituto, assumiu a vaga da advogada Luciana Lóssio, que deixou o tribunal em 5 de maio. Os dois entraram nas vagas destinadas aos advogados, cujos nomes são decididos a partir de uma lista tríplice enviada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). As outras cadeiras são ocupadas por ministros do STF e do STJ.
Gilmar Mendes está nesta semana em viagem oficial em São Petersburgo, na Rússia, onde participa da 14ª Conferência Europeia de Órgãos de Organização de Eleições, e só deve retornar ao Brasil nesta quinta-feira — até ontem, havia a expectativa de que o julgamento pudesse ser marcado para a próxima semana, o que não se concretizou.
spacer

Somente 7 mulheres no mundo podem usar branco em frente ao Papa; entenda

Ivanka, filha de Donald Trump e a primeira-dama Melania com o Papa Francisco. (Foto: AP)
Ivanka, filha de Donald Trump e a primeira-dama Melania com o Papa Francisco. (Foto: AP)
O presidente americano Donald Trump e sua esposa Melania visitaram na última quarta-feira (24) o Papa Francisco. Mas o que chamou atenção da imprensa americana foi o fato de, tanto a primeira-dama quanto a filha do presidente americana, Ivanka, fazerem o uso de um vestido preto, além de véu perante o Papa.
Essa sugestão de vestuário por parte da Igreja faz parte de um protocolo do Vaticano para visitas de Estado ou audiência com o Papa. A Rainha Elizabeth II e a ex-primeira-dama Michelle Obama são alguns exemplo de mulheres que cumpriram a regra de etiqueta. Mas existe uma exceção que permite que apenas 7 mulheres possam usar branco perante o Papa.
O chamado "privilégio do branco" (em italiano il privilegio del bianco) é válido para rainhas e princesas católicas. Mas, para possuir esse privilégio além de ser uma rainha ou princesa é necessário receber do Papa o "Rex Catholicissimus", um título hereditário, se manter publicamente católica, ou então ser casada com um monarca católico. O privilégio pode ser mantido a critério do Papa.
Podem vestir branco a rainha Letícia da Espanha, a rainha emérita Sofia da Espanha, a rainha consorte Matilde da Bélgica e a rainha Paola da Bélgica, a grã-duquesa Maria Teresa de Luxemburgo, a princesa Marina de Nápoles e a princesa Charlene do Mônaco.
A princesa Charlene do Mônaco é uma das "exceções" que mais visitam o Papa. Ao todo já foram quatro audiências com o Pontífice máximo da Igreja.
spacer

POLICIAIS DO 5° BPM/ COARI, APREENDEM APROXIMADAMENTE 04 (quatro) KG DE MACONHA DO TIPO SKUNK E 450 GRAMAS DE PASTA BASE

27/05/2017



A Polícia Militar, através dos policiais militares do 5°BPM/COARI, SD PM M. BARBOSA, SD TONY RODRIGUES, SD PM JOSÉ ANTÔNIO com apoio dos SD PM JOSIMAR E SD PM FABRÍCIO pertencentes ao efetivo 3° BPM/TEFÉ de reforço na cidade de Coari, prenderam em flagrante delito o nacional EDINHO AMAZONAS LABORDA, 30 acusado do crime de tráfico de drogas.

De acordo com os policiais militares que efetuaram a prisão de Edinho, por volta das 18h30, estes receberam denúncia anônima que um cidadão morador de uma quitinete localizada na Rua Amazonas estava na posse de entorpecentes no local.

Os policiais militares foram até o endereço repassado, mas foram informados pelo proprietário do imóvel que o cidadão que alugou a quitinete estava ausente.

Quando os policiais estavam colhendo informações, um cidadão se aproximou do local em uma motocicleta sofrendo um acidente. O cidadão rapidamente se levantou e empreendeu fuga, despertando a desconfiança que se tratava do suspeito que não era conhecido da Polícia.

Os policiais então fizeram um cerco na área e conseguiram abordar o suspeito. Diante da fundada suspeita, o cidadão disse aos policiais que era o locador da quitinete e confessou aos policiais que guardava entorpecentes no local.

Na quitinete onde residia Edinho os policiais encontraram aproximadamente 04 kg de uma erva, supostamente maconha do tipo skunk e 02 dois sacos plásticos contendo pedras de tamanhos médios de uma substância, possivelmente pasta base de cocaína, que totalizou cerca de 450 gramas.

No local os policiais militares encontraram ainda, uma balança de precisão e fizeram apreensão de duas televisões tela plana sendo uma de 46  e outra de 60 polegadas, e uma máquina roçadeira.

O cidadão infrator, recebeu voz de prisão e foi conduzido até 10a DR da Polícia Civil, juntamente com o entorpecente e materiais apreendidos para os procedimentos cabíveis.
spacer

BANDA COLIGADOS: NOVO TALENTO DA MÚSICA GOSPEL EM COARI


Todos sabem a grande safra de talentos para a música que surgem das igrejas todos os anos. São talentos que têm intimidade com a música é com os instrumentos musicais pela prática do louvor desde muito cedo. A novidade agora em Coari é que agora, os talentos musicais gospel tem espaço e público diferenciado para apresentar os diversos estilos musicais, no Mandys Club que também tem se tornado um espaço cultural diferenciado.

É o caso da novíssima banda Coligados, que vem se apresentando no estilo musical mais próximo do reggae, repaginando muitas músicas que já são conhecidas e até mesmo tradicionais do público evangélico, para uma pegada dentro do estilo musical proposto pela banda.

A banda formada por Celso Villar, Julinho Simões e José Marinaldo é mais uma boa novidade que surge dentro do cenário musical gospel coariense. "O nome da banda foi ideia do Simões -  explicou Celso -  ele sempre teve o desejo de lançar uma banda com o nome 'Coligados'  que  quer dizer juntos,  unidos,  ligados por algo!". A Banda Coligados vai se apresentar neste domingo, 28 de maio no Mandys Club, à partir das 20:00h.
spacer

SETOR PRIMÁRIO PODE SER SAÍDA ECONÔMICA PARA COARI

Pesca de Tambaqui nos rios de Coari
Coari, 23 de maio de 2017
Daniel Maciel Gomes

Não há dúvida que o município de Coari é um município rico. E essa riqueza não está limitada apenas ao que é produzido pela PETROBRÁS em foram de petróleo e gás, mas principalmente pela riqueza de nosso setor primário. Coari é um lugar "farto" dizem nossos ribeirinhos, e a grande prova são os nossos rios com muitas espécies de peixe. Além dos rios são milhares de quilômetros de terra que podem permitir a plantação e a colheita de diversos tipos de culturas. Falta incentivo e investimento no setor primário, para que se torne uma fonte de alternativa econômica para o município.

A partir do momento que houver um incentivo ao setor primário, e um planejamento que permita a produção a médio e a longo prazo, teremos muita geração de emprego e renda e uma mudança na cultura do coariense. Infelizmente, muitos em Coari estão habituados com o clientelismo político, e a dependência de doações da prefeitura ou do "emprego público" como moeda de troca acostumou negativamente, principalmente o ribeirinho que pouco tem produzido e pouco tem sido incentivado à produzir. Com certeza esta é a realidade de muitos municípios amazonenses... Coari não foge à regra.

A própria sede do município, nas estradas e ramais têm um potencial enorme para a agricultura e para a criação de peixe em cativeiro. Se direcionarmos nosso foco para a zona rural veremos que este potencial se agiganta. No entanto, até o momento continuamos dependentes da pequena economia oriunda dos governos federal, estadual e acima de tudo do governo municipal. Esta matriz econômica precisa urgentemente ser revista e os investimentos no setor primário frutos de um planejamento sério e duradouro precisam acontecer com urgência.


Nada melhor que um Tambaqui assado.


spacer

COM EXCLUSIVIDADE SITE DA VEJA MOSTRA ENCONTRO SECRETO DE LULA COM RENATO DUQUE




Foto apresentada a Sergio Moro desmente ex-presidente, que negou conhecer o operador do PT no petrolão.

O ex-presidente Lula e o ex-diretor da Petrobras Renato Duque em foto de 2012 (Divulgacao/Divulgação)

A imagem publicada acima implode uma das principais teses de defesa apresentadas pelo ex-presidente Lula ao juiz Sergio Moro sobre uma das tantas acusações que o atormentam na Operação Lava-Jato. Em depoimento no dia 5 deste mês, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque afirmou que Lula tinha total conhecimento do petrolão, recebia propinas do esquema e era o comandante da estrutura criminosa. Duque disse que se reuniu três vezes com o petista para tratar de assuntos de interesse da quadrilha e, em pelo menos uma ocasião, discutiu a eliminação de provas que pudessem levar a Lava-Jato até o ex-presidente. Sentado diante de Sergio Moro, Lula negou as acusações e disse que sequer conhecia o ex-diretor da Petrobras quando esteve com ele no único encontro pessoal que tiveram num hangar do Aeroporto de Congonhas, em julho de 2014. Em sua versão para a conversa, Duque disse a Moro que ouviu de Lula um pedido para eliminar contas de propina no exterior. Lula, por sua vez, disse que apenas apurava denúncias de corrupção envolvendo diretores da estatal. Em meio a essa guerra de versões, a foto apresentada por Duque é uma bomba. Segundo o diretor, ela prova que Lula conhecia muito bem Duque quando esteve com ele no hangar do aeroporto. Prova também que Duque já frequentava o Instituto Lula em meados de 2012, quando a fotografia foi tirada. Apresentada nesta terça-feira, a imagem é o registro histórico de uma conversa, ocorrida durante o pleno funcionamento do petrolão, em que Duque e Lula discutiram assuntos de interesse das empreiteiras que comandavam o cartel bilionário na Petrobras.

No encontro, o “grande chefe”, como Duque descreve Lula, chega a rasgar elogios ao ex-diretor por seus competentes e relevantes serviços prestados. Como a Lava-Jato já demonstrou, Duque foi um eficiente arrecadador do PT na diretoria de Serviços da Petrobras. Ele atravessou oito anos de governo Lula e metade do primeiro mandato da ex-presidente Dilma Rousseff recolhendo 1% de propina sobre cada contrato milionário da sua área. Preso em 2014, já foi condenado a 57 anos de prisão por crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Incluída na proposta de delação premiada que o ex-diretor negocia com a força-tarefa da Lava-Jato, a foto é um dos elementos apresentados por Duque para provar que desfrutava, de fato, de prestígio dentro da hierarquia petista que saqueou a Petrobras. Duque encontrou Lula ainda no período em que o ex-presidente se recuperava de um câncer na garganta. Na imagem, o ex-presidente usa bigode. Mais tarde, voltaria a ostentar a barba.

Em depoimento a Moro, Duque revelou ter mantido três encontros com Lula para discutir assuntos relacionados ao petrolão. A foto registra o primeiro deles. “Nessas três vezes, ficou muito claro para mim que ele tinha pleno conhecimento de tudo e detinha o comando”, disse Duque. Um dos encontros secretos com o ex-presidente se deu já durante as investigações da Lava-Jato, no qual recebeu do petista ordens para fechar as contas que mantinha no exterior para receber propina de contratos da Petrobras. Cinco dias depois, também falando a Moro, o ex-presidente admitiu a conversa, mas disse que sequer conhecia Renato Duque, tanto que precisou pedir ao ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto para intermediar a reunião no aeroporto. “O Vaccari conhecia o Duque e eu não conhecia. Que tipo de relação eles tinham, eu não sei. Tinha conhecimento de que o Vaccari conhecia o Duque, só isso”, disse Lula.

O ex-diretor contou a Sergio Moro que Lula monitorava pessoalmente o fluxo de pagamentos de contratos que renderiam propinas posteriormente. O petista era tão envolvido que chegava a ter informações antes mesmo do próprio ex-diretor. Ao dar sua versão sobre a conversa no aeroporto, Duque disse que o ex-presidente relatou que a então presidente Dilma Rousseff havia lhe repassado a informação de que diretores da Petrobras estavam recebendo propina de fornecedores da estatal, como a multinacional SBM, em contas no exterior. Lula queria saber se Duque estava entre os beneficiários da propina. Como o ex-diretor negou, Lula insistiu querendo saber se a propina de contratos de sondas da Sete Brasil estava sendo paga no exterior. Duque voltou a negar. Lula então fez questão de advertir para a necessidade de eliminar rastros no exterior que pudessem levar as autoridades até a propina.

“Ele me perguntou se eu tinha uma conta na Suíça com recebimentos da empresa SBM, dizendo que a então presidente Dilma tinha recebido a informação que um ex-diretor da Petrobras tinha recebido dinheiro numa conta da Suíça da SBM. Eu falei: ‘Não, não tenho dinheiro da SBM nenhum. Nunca recebi dinheiro da SBM’. Aí, ele vira para mim e fala assim: ‘Olha, e das sondas? Tem alguma coisa?’. Falei… e tinha, né? Eu falei: ‘Não, também não tem’”, relatou Renato Duque. Lula, nas palavras do ex-diretor, replicou: “Olha, presta atenção no que vou te dizer: se tiver alguma coisa, não pode ter. Não pode ter nada no teu nome, entendeu?”, contou.

O petista também deu a sua versão para a conversa. Lula disse que procurou Renato Duque porque viu na imprensa denúncias de corrupção na Petrobras envolvendo o nome do ex-diretor. “Tive uma vez no Aeroporto de Congonhas, se não me falha a memória, porque tinha vários boatos no jornal de corrupção e de contas no exterior. Eu pedi para o Vaccari, que eu não tinha amizade com o Duque, trazer o Duque para conversar”, disse Lula. “Eu sei que foi num hangar em Congonhas e a pergunta que eu fiz para o Duque foi simples: ‘Tem matéria nos jornais, tem denúncias de que você tem dinheiro no exterior, que está pegando da Petrobras. Você tem contas no exterior? Ele falou: ‘Não tenho’. Falei: ‘Acabou’. Se não tem… Sabe, mentiu pra mim. Mentiu para ele mesmo”, disse Lula.

Em meados de 2014, Duque sequer mantinha vínculo com a Petrobras. Mas, para Lula, isso pouco importou. Questionado por Moro se tinha procurado outros diretores da estatal, igualmente enrolados na Lava-Jato, Lula disse que só procurou Duque. Moro quis saber o motivo. Lula justificou que Duque havia sido indicado pela bancada do PT.

No dia em que Duque prestou depoimento a Moro, Lula rebateu as acusações por meio de uma nota em que classificou as declarações do ex-diretor de Serviços da Petrobras como uma “tentativa de fabricar acusações mentirosas” contra ele. Segundo Lula, trata-se de “mais uma etapa dessa desesperada gincana, nos tribunais e na mídia, em busca de uma prova contra Lula, que não existe na realidade e muito menos nos autos”.
spacer

Policiais prendem trio com 50 kg de entorpecentes em embarcação vinda de Tefé

Policiais civis lotados no Departamento de Investigação sobre Narcóticos (Denarc), em parceria com policiais da Secretaria-Executiva-Adjunta de Inteligência (Seai) da Secretaria de Segurança Pública do Estado do Amazonas (SSP-AM), e Delegacia Interativa de Polícia (DIP) de Manacapuru, prenderam, em flagrante na manhã deste sábado, dia 20, por volta das 7h, Jhonathan de Souza Fatin, 22, Rômulo Albuquerque Pereira, 24 e Jander de Castro de Souza, 26, por tráfico de drogas. Com o trio as equipes apreenderam 40 quilos de maconha do tipo skunk e 10 quilos de pasta base de cocaína, totalizando 50 quilos de entorpecentes avaliados em R$ 400 mil.


O trio foi apresentado durante coletiva de imprensa realizada na manhã de sábado, dia 20, às 10h, no prédio da Delegacia Geral, na zona Oeste da capital. De acordo com a diretora ajunta do Denarc, delegada Tamara Albano, os infratores foram presos em uma embarcação oriunda do município de Tefé, distante 523 quilômetros em linha reta da capital, no momento em que a embarcação atracava no porto privativo de Manaus, situado no Centro da capital.


"A delegacia de Manacapuru recebeu há cinco dias delações anônimas informando que essa droga viria de Tefé para Manaus, as denúncias davam conta de que os entorpecentes seriam entregues naquele município, a partir daí começamos a monitorar esse barco, equipes do Denarc e Seai se deslocaram em terra e via fluvial, as denúncias informavam, ainda, que a droga seria entregue em uma lancha ainda em Manacapuru, mas em nenhum momento notamos a aproximação de lanchas para pegar a droga", explicou a delegada.


Durante coletiva de imprensa, a diretora adjunta do Denarc informou, ainda, que no momento em que a embarcação atracava no porto privativo de Manaus, as equipes realizaram revistas nas bagagens dos passageiros, encontrando o material ilícito escondido em cinco malas que pertencia ao trio. "Em depoimento eles disseram desconhecer o dono da droga, falaram que estavam só fazendo o transporte e que iriam receber R$ 1 mil cada um, a droga tinha como destino final a capital e seria distribuída em pontos de vendas em zonas distintas", ressaltou


O titular da DIP de Manacapuru, Rodrigo Torres, ressaltou que a operação em conjunto com o Denarc e Seai foi satisfatória, uma vez que o município faz parte da rota do tráfico. "O trabalho em conjunto foi essencial para que conseguíssemos ter sucesso na apreensão, conseguimos tirar de circulação 50 quilos e dar um prejuízo de R$ 400 mil para o tráfico no Estado", finalizou.


Jhonatan, Rômulo e Jander, foram autuados em flagrante por tráfico de drogas e associação para o tráfico. Ao término dos procedimentos cabíveis no departamento o trio será encaminhado para Audiência de Custódia no Fórum Ministro Henoch da Silva Reis, no bairro São Francisco, zona Sul da capital.
spacer

HOMEM BALEADO MORRE EM FRENTE AO QUARTEL DA POLÍCIA EM COARI


20/05/2017

Por volta das 20h00, policiais militares do 5° BPM, foram acionados na entrada do Quartel por um cidadão que disse ter sido vítima de tentativa de homicídio juntamente com seu amigo que estava ferido.

De acordo com os policiais militares, a vítima informou que trafegava na estrada do aeroporto sentido centro quando foram surpreendidos por dois infratores armados  em uma motocicleta do tipo Brós de cor escura. A vítima acelerou sua motocicleta quando ouviu os disparos e foi pedir socorro no quartel da Polícia.

Os policiais militares, disseram que chegaram na entrada no quartel onde este havia abandonado a motocicleta e encontraram seu amigo ferido, porém, este foi a óbito no local. Os policiais perceberam também que a vítima solicitante também havia sido atingida  com pelo menos um tiro nas costas e prestaram socorro.

A vítima que foi a óbito foi identificada como: GEILSON CARVALHO RIBEIRO, 24, morador do bairro Duque de Caxias. A vítima socorrida foi identificado como:  WALLACY VIEIRA. DA SILVA, 18, reside no bairro Espírito Santo.

Segundo os policiais militares, após as vítimas sairem do local, diversos populares informaram ter visto como suspeito um suposto traficante conhecido como "Vitão" em uma motocicleta Brós, entretanto, nenhuma quis ser arrolada como testemunha com medo de represálias.

Segundo Major Pedro Moreira, Comandante do 5° BPM, o crime pode ter sido motivado pela disputa da hegemonia no comando do tráfico de drogas na cidade. Na semana passada, a Polícia Militar prendeu dois pistoleiros em Coari que confessaram estar a mando de um presidiário recolhido na Unidade Prisional de Coari - UPC e que supostamente comanda o tráfico de dentro da cadeia.

Ainda de acordo com o Maj Pedro Moreira, hoje os "xerifes" vivem como querem dentro da UPC, permanecendo no local conhecido como "isolamento" onde estão "Nego do Catara" e "Mata-Porco" acompanhados de seus "soldados". O isolamento hoje, é o local onde possuem as melhores celas da Unidade, estão todas na cerâmica e foram reformadas, segundo informes a mando de "Nego do Catara" nos moldes das antigas "celas de luxo" existentes no Compaj.

Quando a previsão de visitas por parte de autoridades no Presídio tudo é organizado e maquiado para que transpareça aparente normalidade, os cadeados são postos nas celas, o local é limpo, os presos fora dos corredores, mas a realidade é outra e os presos fazem o que bem querem. A Unidade Prisional só aparenta uma tranquilidade hoje porque os "xerifes" temem ser transferidos para Capital e estão "comportados"., disse o Comandante.

O Comandante disse ainda, que se o Estado não tomar providências e intervir para que sejam transferidos para Manaus os "xerifes" do tráfico que cumprem pena na Unidade Prisional de Coari - UPC e não vir uma equipe de Policiais Civis de Manaus para fazer um trabalho sério de investigar e prender esse suposto traficante conhecido por "Vitão", e outros como "Cimazinho", Coari continuará sendo destaques negativos nos jornais por conta do banho de sangue promovidos pelos cabeças de quadrilhas de traficantes e "piratas de rio". É necessário que haja um trabalho que reflita a curto e a médio prazo pelo menos e não somente medidas paliativas como Operações Policiais que não surtem efeito, pois os marginais se escondem e quando a Polícia se retira, eles voltam a atuar. Deve haver investigação com calma, com tempo, com escutas para que se alcance um resultado positivo. Hoje a Polícia Civil não tem policiais suficientes e o serviço de investigação não acontece. Quando alguém é roubado e faz Boletim de Ocorrência é a Polícia Militar que "investiga" e prende o criminoso, e isto está errado. Logo, logo haverá problemas para os Policiais Militares em virtude de extrapolarem sua competência e fazerem trabalho de outro Órgão.

Se nada for feito, esse e outros crimes continuarão sem solução no Município de Coari, e o que é pior, o tráfico continuará ditando ordens na cidade, e o Estado e suas instituições desacreditas pela população como acontece hoje. Muitos deixam de procurar a Polícia, a Delegacia e a Justiça por não acreditarem que haverá uma solução ou uma resposta positiva, finalizou o Major Pedro Moreira.

*LINHA DIRETA DO 5° BPM: (97) 99182-4473*
spacer