Header Ads

Fundação de Medicina Tropical inscreve pacientes com HIV em novo teste t



MANAUS


27/04/2017 às 16:20



Paulo André NunesManaus (AM)

Para participar dos testes - que já estão em andamento - os voluntários devem estar na faixa etária de 40 a 75 anos e fazendo tratamento contra HIV, no mínimo, há seis meses


Os testes do tratamento inédito para prevenção de doenças cardíacas (ataque cardíaco e derrame cerebral) em pessoas que vivem com HIV, anunciado hoje pela Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), vão dar a oportunidade a 120 pessoas do Amazonas, portadoras do vírus, de levar uma vida melhor.

A novidade consiste no uso, por pessoas com HIV, de uma medicação chamada Pitavastatina, que integra um grupo de medicamentos que tem na composição a estatina e que é utilizada para o controle do colesterol.

Para participar dos testes - que já estão em andamento - os voluntários devem estar na faixa etária de 40 a 75 anos e fazendo tratamento contra HIV, no mínimo, há seis meses. Os interessados em fazer parte do estudo podem obter maiores informações pelos telefones 98181-9272, 99302-9272 ou 2127-3577 ou dirigir-se até o setor de Enfermaria de Pesquisa Clínica da FMT-HVD, localizado na avenida Pedro Teixeira, 25, bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste da cidade.

A FMT-HVD é uma das oito instituições do Brasil a participar da pesquisa, que é inédita no mundo. Os testes do novo tratamento deverão abranger 6.500 mil voluntários em todo o Planeta. Além do Brasil, estão participando da pesquisa, denominada “Estudo randomizado para prevenir eventos vasculares em HIV (REPRIEVE)”, países como Estados Unidos, Porto Rico, África do Sul, Botswana e Tailândia.

No Brasil, além de Manaus, participam do estudo centros de pesquisas do Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Os 120 voluntários de Manaus vão passar a ser acompanhados por um período de até cinco anos para verificar se a medicação, de fato, previne contra as doenças cardiovasculares em pessoas com HIV.

“Se confirmada a redução do risco, a expectativa é que o Ministério da Saúde indique esse medicamento para pacientes com HIV”, ressaltou Marcus Lacerda, diretor de Ensino e Pesquisa da instituição, que falou ontem com a imprensa junto com Graça Alecrim, diretora-presidente da Fundação de Medicina Tropical, e Kim Marinho, enfermeiro e coordenador do estudo em Manaus. Nesse grupo de doenças cardíacas que vai atuar o tratamento em pessoas que vivem com HIV, é 40% maior o risco de desenvolvimento de problemas cardiovasculares.

Pesquisa

A pesquisa é financiada pelo National Heart Lung e Blood Institute, do National Institutes of Health (NIH). A diretora Graça Alecrim explica que o vírus HIV desencadeia um processo inflamatório nas células do organismo e, por isso, o risco das doenças cardiovasculares é maior nesses pacientes.

Segundo ela, a vantagem é que, diferente das outras estatinas disponíveis no mercado, a Pitavastatina não reduz a eficácia dos medicamentos usados no tratamento do HIV.

“A Pitavastina tem menos interações com o coquetel que é usado pelos pacientes que têm HIV/Aids e está sendo proposta como medicação profilática. O Estado do Amazonas se propôs a incluir 150 voluntários e nós ainda estamos recrutando eles. Um grupo vai usar a droga e outro não”, informou o diretor e ensino Marcus Lacerda.

Medicamento

Em caso de eficácia do medicamento nos testes em todo o País, o diretor de ensino e pesquisa Marcus Lacerda informou que o estudo será interrompido e o Ministério da Saúde passará a adquirir a Pitavastina para ser utilizada na população brasileira com HIV-Aids.

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.