Header Ads

FHC nega articulação com Temer e Lula para estancar Lava Jato

WÁLTER NUNES
DE SÃO PAULO

16/04/2017 19h41

Eduardo Anizelli - 25.abr.2016/Folhapress
Fernando Henrique Cardoso na sede de seu instituto, em SP
Fernando Henrique Cardoso na sede de seu instituto, em SP
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso negou neste domingo (16), em sua conta numa rede social, que integre articulação com o presidente Michel Temer e o ex-presidente Lula para "estancar ou amortecer os efeitos das investigações da Operação Lava Jato".
Reportagem da Folha publicada na quinta-feira (13) informou que os três articulam um pacto pela sobrevivência política em 2018 e que emissários começaram a costurar o acordo em novembro passado.
A reportagem ouviu de pessoas relacionadas às três partes a avaliação de que a Lava Jato quer enfraquecer a classe política e abrir espaço para um novo projeto de poder, capitaneado, por exemplo, por integrantes da investigação da Lava Jato possivelmente interessados em disputar eleições.
"Não participei e não participo de qualquer articulação com o presidente Temer e com o ex-presidente Lula para estancar ou amortecer os efeitos das investigações da Operação Lava Jato. Qualquer informação ou insinuação em contrário é mentirosa", disse o ex-presidente.
FHC diz que conversar em torno da situação do país é diferente de fazer acordos velados. "O diálogo em torno do interesse nacional é o oposto de conchavos. Deve ser feito às claras com o propósito de refundar as bases morais da política", diz o ex-presidente.
Em seu texto, o ex-presidente diz que considera que o país vive uma crise gravíssima com desdobramentos econômicos e sociais imprevisíveis. "Esta situação afeta os brasileiros preocupados com a democracia. Diante do desmoronamento da ordem político partidária e das distorções do sistema eleitoral é urgente um diálogo envolvendo o mundo político e a sociedade."
"As investigações em curso devem prosseguir. De seus desdobramentos nada tenho a temer. Basta ouvir a íntegra das declarações de Emilio Odebrecht em seu depoimento ao Judiciário para comprovar que nelas não há referência a qualquer ilicitude por mim praticada nas campanhas presidenciais de 1994 e 1998", disse.
O patriarca do grupo, Emílio Odebrecht, relatou em seu acordo de delação premiada o "pagamento de vantagens indevidas, não contabilizadas, no âmbito da campanha eleitoral de Fernando Henrique Cardoso à Presidência da República, nos anos de 1993 e 1997".

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.