Header Ads

Projeto busca conscientizar jovens sobre o vírus HIV


Pesquisa no âmbito do PCE é realizada por estudantes da Escola Estadual Castelo Branco

 

Com o propósito de conscientizar os jovens sobre as doenças sexualmente transmissíveis, estudantes da Escola Estadual Presidente Castelo Branco, no bairro São Jorge, zona Oeste de Manaus, investigam a "Suscetibilidade da contaminação do vírus HIV em adolescentes do município de Manaus". O estudo é desenvolvido no âmbito do Programa Ciência na Escola (PCE) da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e deve ser concluído em dezembro deste ano.

 

O trabalho é coordenado pelo professor de biologia da escola, Ederson Gonçalves, e conta com o envolvimento de seis alunos do 3º ano do Ensino Médio: Guilherme Vasconcelos, 18, Kerlison Souza, 20, Mayra Nascimento, 17, Thyfany Oliveira, 17, Nicoly Uchôa, 17, e Mena Bianca, 17.  A escola onde o projeto é realizado fica no bairro São Jorge, na Zona Oeste de Manaus.

 

Segundo o professor, o estudo pretende identificar a vulnerabilidade do adolescente na contaminação do vírus HIV. Ele destaca que o interesse em investigar o tema surgiu a partir do aumento dos casos da doença em nível nacional. "Queremos identificar qual é o ponto que está fazendo com que os adolescentes fiquem tão suscetíveis à contaminação. Será a falta informação em casa? Na escola? Se é iniciação cada vez mais cedo na vida sexual aliada à falta de informação?", indagou o educador.

 

Para coletar dados e creditar as hipóteses levantadas pelos próprios bolsistas, o grupo de pesquisa desenvolveu questionários que abordam aspectos sociais, educacionais e vida sexual de adolescentes de 12 a 18 anos de idade. Os questionários serão aplicados em turmas da escola, escolhidas por meio de sorteio, e em adolescentes soropositivos, via parceria com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD). Não será necessária a identificação do entrevistado.

 

O coordenador da pesquisa ressaltou que o tema sexualidade tem que ser tratado como um assunto normal. "Nosso erro é tratar o tema como tabu, como algo que não deve ser discutido".  Para Gonçalves, o Ensino Médio tem o papel de preparar o aluno para a vida. "O conhecimento só é válido quando o aluno consegue aplicar no cotidiano e o PCE tem contribuído nesse processo", disse o professor.

 

"Quando tratamos de Biologia, tratamos de saúde de modo geral. Falamos sobre educação sexual, os vírus, o desenvolvimento de doenças, mas, muitas vezes, não falamos sobre prevenção, só damos o conhecimento técnico e não preparamos o aluno para aplicar o conhecimento na vida, não está sendo válido. Essa é importância do PCE: os próprios adolescentes vão orientar outros", explica Ederson.

 

Importância da pesquisa

O bolsista Guilherme Vasconcelos acredita que o projeto de pesquisa é importante, pois alerta a juventude sobre os riscos da contaminação do vírus HIV. "O adolescente é o mais vulnerável. Em nossas pesquisas, conseguimos coletar a seguinte informação: se hoje temos um índice de adultos que estão contaminados, eles não foram contaminados na fase adulta e, sim, na adolescência. Esse é um trabalho de prevenção para que a doença não se dissemine ainda mais", disse o aluno.

 

Kerlison Souza contou que antes do projeto, o assunto era pouco discutido tanto em casa como na escola, mas o cenário tem se modificado e a discussão sobre HIV/Aids se tornado mais frequente nos grupos de amigos. Diferente de Kerlison, a aluna Mayra Nascimento contou que a família sempre conversou sobre o assunto, mas que com o PCE ela pode aprofundar seu conhecimento.

"Por meio do PCE, tenho alcançado mais entendimento sobre HIV. Apesar da minha família ser muito aberta para o diálogo, não tinha tido a experiência de debater com meus colegas sobre o tema. É muito bom ouvir outras opiniões. Hoje eu sinto a preocupação de falar com minhas colegas sobre HIV e falar o que é certo para elas", disse a estudante.

 

A também bolsista do PCE, Thyfany Oliveira, acredita que o contato de adolescente para adolescente poderá contribuir de forma relevante para conscientização sobre os riscos da contaminação do vírus HIV. "Nosso contato maior é com esse público. Como a linguagem é a mesma, a abordagem fica mais direta. O alerta precisa ser feito de forma eficaz", contou a estudante.

 

FOTO: ÉRICO XAVIER/FAPEAM

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.