Header Ads

Operador ligado a Temer admite ter recebido R$ 1 milhão da Engevix

Delator da Lava Jato, sócio da empreiteira afirma que o dinheiro era propina por obra na usina nuclear Angra 3

DANIEL HAIDAR
24/06/2016 - 19h53 - Atualizado 24/06/2016 20h41
O empresário José Antunes Sobrinho, um dos donos da construtoraEngevix, é mantido em prisão domiciliar a poucos metros da força-tarefa em Curitiba. Vem de Antunes a acusação, em uma proposta dedelação premiada, de que o presidente interino Michel Temer foi o beneficiário de R$ 1 milhão de propina, paga pela Engevix, como recompensa por um contrato de R$ 162 milhões da empreiteira com a Eletronuclear. ÉPOCA revelou o caso no fim de abril. Temer negou as acusações na ocasião. Na proposta de delação, Antunes conta que o ex-coronel da Polícia Militar João Baptista Lima Filho, sócio da empresa de arquitetura Argeplan e “pessoa de total confiança de Michel Temer”, ganhou o principal contrato de construção da usina Angra 3 com a Eletronuclear, no valor de R$ 162 milhões, e se comprometeu a subcontratar a Engevix para realizar a obra. Em troca, a empreiteira pagaria R$ 1 milhão para “suprir interesses deMichel Temer”, de acordo com Antunes.


ACUSAÇÃO
José Antunes Sobrinho, acima, foi preso pela Lava Jato. Ele tenta um acordo de delação e acusa Michel Temer de receber propina (Foto: Felix Leal/Futura Press)

A proposta de delação premiada revela detalhes sobre o caso. Lá, Antunes diz que pediu para que uma prestadora de serviços da Engevix fizesse o pagamento para Lima, para disfarçar. Segundo a proposta de delação, o repasse foi feito pela empresa Alúmi Publicidades, que prestava serviços de mídia para o aeroporto de Brasília, controlado pela Engevix. Segundo ÉPOCA apurou, houve realmente um pagamento da Alúmi para a PDA Projeto, outra empresa de Lima. A PDA recebeu R$ 1,1 milhão em outubro de 2014, pagos pela Alúmi, na reta final da eleição daquele ano. Procurada por ÉPOCA, a Alúmi confirma o repasse de dinheiro à PDA. Lima confirma o recebimento da quantia. Os dois afirmam, no entanto, que se trata apenas de serviços prestados pelo amigo de Temer, não de propina.

Com as revelações do executivo, o dinheiro pode ser rastreado pelos investigadores para que seja verificado se Temer foi de fato beneficiado, como afirma Antunes – o que, novamente, o presidente interino nega com veemência. Pouco tempo depois do pagamento da propina, Lima fez viagens ao Panamá e ao Uruguai, dois conhecidos paraísos fiscais usados por operadores da Lava Jato para esconder dinheiro.

>> Sócio da Engevix diz que pagou propina por contrato de US$ 160 mi com a Venezuela

A interlocutores, Temer já disse que Lima cuidou de suas campanhas eleitorais. De acordo com a proposta de delação de Antunes, Lima ganhou a licitação para a obra em Angra 3, em maio de 2012, por ter forte influência sobre Othon Pinheiro, presidente da Eletronuclear nos governos Lula e Dilma. Temer e Lima eram responsáveis pela manutenção de Othon no cargo, diz Antunes em sua proposta de delação. Segundo essa versão, em troca do apoio, Othon deveria ajudar Lima nesse e em outros contratos. Mas a Argeplan, uma empresa que reformava telhados e cuidava de pequenos projetos arquitetônicos, não tinha experiência alguma com energia nuclear. Foi aí que entrou a Engevix, com sua expertise.
 

DEFESA
O presidente interino Michel Temer. Ele nega as acusações do empreiteiro Antunes, mas admite que João Baptista Lima Filho atuou em suas campanhas eleitorais (Foto: RICARDO BOTELHO/BRAZIL PHOTO PRESS)

A ingerência de Lima e Temer na Eletronuclear não era algo abstrato, diz Antunes em sua proposta de delação. Para tratar de assuntos da estatal, Antunes chegou a se encontrar com Lima e Temer no escritório do presidente interino no Itaim Bibi, na Zona Sul de São Paulo. Houve pelo menos dois encontros, de acordo com a proposta de delação. Antunes disse que foi procurado pelo coronel Lima para entrar no contrato de Angra 3. Lima havia montado uma parceria com a finlandesa AF Consult, que resultou no consórcio AF Brasil, e subcontratou a Engevix por cerca de 70% do valor do contrato com a Eletronuclear. Segundo Antunes e documentos comerciais, o consórcio foi criado por Lima e pessoas ligadas ao almirante Othon.

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.