O TRABALHO INFANTIL NO CENTRO DAS DISCUSSÕES



O Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil teve dois duros concorrentes este ano. O primeiro concorrente foi o fato de cair em um pleno dia de domingo e o segundo foi o fato de neste domingo ter sido comemorado o dia dos namorados. Então, falar de trabalho infantil neste contexto ficou um pouco complicado. Por isso o debate sobre o tema caiu na segunda-feira e para ser sincero, todo o dia é dia de discutir temas que são de interesse da coletividade e principalmente se as crianças estiverem no foco da discussão. Então a segunda-feira, 13 de junho, calhou como um dia apropriado para debater sobre trabalho infantil.

No caso de Coari, a Prefeitura chamou a atenção para o assunto desde cedo nos programas de rádio, divulgando a importância de discutir o tema e de evitar que os direitos das crianças sejam desrespeitados. À tarde promoveu um debate sobre o tema no Auditório da UFAM. O tema não deixa de ser tabu, até porque tem muita gente que confunde exploração do trabalho infantil com atividade de aprendizagem. Discutir esta temática não é a mesma coisa que proibir menores de desenvolverem atividades laborais seguras e que não impeçam os estudos e o lúdico. Discutir este tema significa chamar a atenção da necessidade de combater seriamente a exploração da mão de obra infantil por adultos, evitar que as crianças sejam colocadas na condição de vulnerabilidade e acima de tudo é garantir que os direitos dos mesmos sejam respeitados.

Há casos de adultos que ficam em casa deitados enquanto as crianças estão nas ruas vendendo salgados e outros tipos de serviços, menores presentes em arredores de bares e casas noturnas, meninos e meninas sendo usadas para o "trabalho" sexual (enquanto adultos tiram proveitos financeiros dos mesmos), ou seja, casos e casos de exploração terrível de menores. Para isso é importante ao leitor está ciente que isto é errado e precisa ser denunciado, seja no conselho tutelar, nos Cras e Creas existentes no município, até mesmo no ministério público ou na justiça do trabalho e também pelo disque 100. Em Coari há uma rede de proteção funcionando, mas necessita da participação de todos.

Comentários