Header Ads

Cunha e o dinheiro da academia de tênis: a fase da desmoralização

Eu conto como são as coisas. O juízo fica com vocês. As indústrias de vazamentos, montadas para destruir reputações, seguem uma lógica, um ritual. A sequência costuma ser esta:
1: Primeiro se noticia que alguém diz que Fulano está envolvido;
2: na sequência, aparecem os indícios mais sérios de envolvimento com coisa da pesada;
3: havendo a reação do alvo, negando a acusação, surgem uma segunda, uma terceira e uma quarta evidências ainda mais fortes;
4: espera-se que o acusado diga que não fala mais do assunto; que só seus advogados vão se manifestar;
5: aí vem a porrada para desmoralizar: aparece uma evidência de que dinheiro sujo, não declarado, suspeito (e variantes) pagou despesas exóticas, que denunciam a esquisitice do alvo ou seu divórcio com o povo.

Vejam o que aconteceu com Fernando Collor. Vejam o que está acontecendo com Eduardo Cunha. A experiência indica que essa dinâmica só se conclui com a renúncia do indigitado, quando menos, ao cargo, como aconteceu com Renan Calheiros em 2007. Sim, ele voltou à Presidência do Senado.

Por que estou escrevendo isso? A Folha informa que, segundo dossiê entregue pelo Ministério Público da Suíça à Procuradoria-Geral da República, Cláudia Cruz, mulher de Cunha, “pagou despesas com dois cartões de crédito e até uma famosa academia de tênis na Flórida (EUA)”.

Informa ainda o jornal: “Segundo os investigadores, o dinheiro é fruto de propina da Petrobras, mais especificamente de um contrato de US$ 34,5 milhões da estatal relativo à compra de um campo de exploração em Benin, na África”.

A reportagem vai além: “Segundo dados do banco Julius Baer, os recursos foram movimentados na conta com nome fantasia KOEK, que está em nome da jornalista, entre 2008 e 2015, e tem uma das filhas do deputado como dependente. Essa conta tinha 146,3 mil francos suíços e foi bloqueada pelo Ministério Público da Suíça em 17 de abril de 2015, um mês após a Polícia Federal deflagrar a Operação Lava Jato, que investiga o esquema de corrupção na Petrobras”.

Retomo
Olhem aqui: saber se o dinheiro deriva ou não de falcatruas na Petrobras, neste exato momento, nem é tão relevante. Ainda que fosse da venda do apartamento de uma tia, o fato é que o deputado havia negado a existência dessas contas. Se da Petrobras, pior.

É preciso saber a hora se dizer: “Não dá mais”.

E, convenham, não dá mais.

É escandalosamente claro, reitero, que o Ministério Público Federal fez de Eduardo Cunha seu alvo principal. É absurdo, sim, que seja ele a personagem política principal do petrolão. Mas isso não elimina as evidências das contas na Suíça.

A gente até pode começar a indagar se o país pode ter um MPFR que seleciona alvos. E a minha resposta é: “não”! Mas não podemos ter um presidente da Câmara com contas secretas na Suíça.

Por Reinaldo Azevedo

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.