Header Ads

Amazônia Conectada vai levar Internet a 50 municípios do Amazonas

Lançamento do cabo de subfluvial de fibra óptica que interligará duas unidades do Exército em Manaus como projeto-piloto. Foto: Izabel Santos/Portal Amazônia

MANAUS
 – Um dos desafios da Amazônia Legal diz respeito à integração dos municípios, entre si e ao restante do País. Até 2017, e ao custo de R$ 1 bilhão, este obstáculo deve ser superado no Amazonas. O Exército Brasileiro está na liderança do Programa Amazônia Conectada, que criará cinco infovias, rotas formadas por uma rede de cabos subfluviais de fibra óptica por meio dos rios da região. A espinha dorsal do projeto foi lançada no rio Negro, em Manaus, na manhã desta quarta-feira (8). A iniciativa abrangerá 50 municípios do estado. Segundo o Comando Militar da Amazônia, a presidente Dilma Rousseff virá à Manaus no final do mês de abril inaugurar oficialmente o programa.
O Amazônia Conectada aproveitará as estradas naturais da Amazônia, os rios, para levar Internet aos municípios da Amazônia Ocidental sem o serviço. Os cabos serão levados aos maiores municípios das calhas dos principais rios do Amazonas. A partir dali, o sinal será distribuído e o cabeamento estendido aos municípios menores. As regiões do Médio e Baixo devem ser alcançadas pelo programa através do Linhão de Tucuruí, mas somente após 2017.

Barco que realizou o lançamento do cabo de subfluvial de fibra óptica do projeto-piloto em Manaus . Foto: Izabel Santos/Portal Amazônia
A implantação do projeto será dividida em partes. Na primeira, que já está em andamento e dividida em duas etapas, será aproveitada a estrutura do gasoduto Manaus – Coari para levar a fibra óptica até o interior do Amazonas. A etapa seguinte, abrangerá o trecho entre os municípios de Coari e Tefé e deve ser concluída até dezembro deste ano. A partir daí terá início uma outra parte do programa que abarcará as cidades entre Tefé e Tabatinga.
Ao todo, serão cinco infovias: do Rio Negro, do Solimões, do Madeira, do Purus e do Juruá. A gestão da transmissão de dados através da estrutura ficará a cargo da Telecomunicações Brasileiras S.A. (Telebrás) e da Empresa de Processamento de Dados Amazonas (Prodam). “Até 2017 nós teremos em torno de 8 mil quilômetros de vias fluviais mobiliadas com fibra óptica subfluvial levando a comunicação em banda larga e com velocidade até as regiões do Alto Rio Negro, Alto Solimões, Madeira, Juruá e Purus”, garante o Comandante Militar da Amazônia, general Guilherme Theophilo. “Os cabos de fibra óptica facilitarão serviços de saúde, educação e cultura”, acrescenta.

General Guilherme Theophilo, Comandante Militar da Amazônia. Foto: Izabel Santos/Portal Amazônia
Infovias

As maiores infovias serão as do Solimões (entre Tefé e Tabatinga) e Purus (entre Beruri e Boca do Acre), com 2.091 quilômetros (km) e 2.220 km, respectivamente. O financiamento do programa terá o custo total de R$ 1 bilhão. Mas o aporte financeiro para a conclusão de todo o projeto ainda não está garantido. As etapas entre Manaus e Coari e Coari e Tefé serão financiadas pelo próprio Exército, com recursos do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron).
“Ainda está em estudo quem vai custear o programa. Até Tefé, é feito através do Sisfron. A partir daí o Exército está realizando tratativas”, revela o comandante 4º Centro Telemático de Área do Comando Militar da Amazônia (4º CTA-CMA), Coronel Marcelo Corrêa. “Acredito que quando o projeto estiver em funcionamento e o os benefícios forem vistos, será mais fácil conseguir o financiamento”, disse otimista.
Na capital, o projeto-piloto liga o 4º CTA-CMA, localizado no bairro Ponta Negra, à 4ª Divisão de Levantamento (4ª DL-CMA), no bairro Compensa, por meio de um cabo subfluviais de fibra óptica de aproximadamente 10 km. “Este é um projeto que está funcionando como um laboratório de pesquisa para que possamos tirar ensinamentos e concluirmos, até o fim do ano, o projeto de Coari até Tefé”, avalia o general Guilherme Theophilo.
Tabela com nomes, origem e valores estimados das infovias. Arte: Victor Gabriel/Portal Amazônia
Pioneirismo e baixo impacto ambiental
Segundo o diretor da empresa Padtec, responsável por lançar os cabos nas águas, Mário Vassalo, a iniciativa é pioneira na Amazônia. “É uma tecnologia nova, porque o ambiente é diferente. Temos experiência com lançamento de cabos em mar, mas em rio é a primeira vez”, explica Mário Vassalo. “Estamos em busca da rota mais segura para que a estrutura conviva com a natureza e não lute contra ela”, acrescenta.
O impacto ambiental também é baixo, ou no mínimo menor que a instalação de postes em áreas protegidas no estado. É o que garante o autor e gerente do projeto, Guilherme Moraes. “No leito do rio o impacto é zero”, assegura. A iniciativa também se beneficia pela ausência de legislação específica.

Guilherme Moraes, autor e gerente do projeto do Programa Amazônia Conectada. Foto: Izabel Santos/Portal Amazônia

Nas regiões do Baixo e Médio Amazonas, o Amazônia Conectada alcançará os municípios pelo Linhão de Turucuí. “A ideia é integrar todos os grandes projetos que temos no Amazonas como o gasoduto de Coaria, o Linhão de Tucuruí e o Programa Amazônia Conectada”, revela.
O impacto ambiental e a resistência dos cabos de fibra óptica serão estudados pelos próximos 25 anos. Pesquisadores e especialistas de universidades do Amazonas estão colaborando com o programa. Características e propriedades como correnteza do rio, PH, profundidade, banzeiro, chuva e até efeito de temporais serão monitoradas.

Nenhum comentário

1. O Blog em Destaque reserva-se o direito de não publicar ou apagar acusações insultuosas, mensagens com palavrões, comentários por ele considerados em desacordo com os assuntos tratados no blog, bem como todas as mensagens de SPAM.

Tecnologia do Blogger.